Posts com a Tag ‘Salvem Quem Necessita’

Luís Martins da Silva 

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Decifrando Brasília, Decifrando Brasília Sem Comentários

Luís Martins da Silva vê Décio Pignatari na “Plataforma superior da Estação Rodoviária”, a contemplar pela primeira vez a praça dos Três Poderes, em 1965, quando teria exclamado: “Mas é Atenas! Uma Atenas marciana…”. Só a ausência dos deuses causaria estranheza! O poeta (em “Pulsações de um planalto central”) refere a ausência: “Nem acrópoles/Nem Pirâmides//Nem eram Atenas/Nem era cidade”. A Brasília em construção (ainda) oferecia alguma compensação: “Eram apelos cifrados/Aos astronautas de Nazca” (ou Nasca: cidade do Peru, centro comercial e turístico, situado no local de um centro de civilização pré-colombiana). Os “apelos cifrados são as siglas e abreviações características da Capital Federal: SQN (Salvem Quem Necessita)//SQS (Socorro Queremos Socorro)//SOS (Save Our Souls)”, etc. O poeta fala dos “Navegadores noturnos”, os boêmios e os vagalumes [(“Pirilampos (De Beirute)”]. Não se trata da cidade, mas do bar, local tradicional de encontro de escritores. É onde “os sonâmbulos da cidade”/ “(…) sobrevivem aos naufrágios. Luís Martins revela a existência de “Árvores-relógios”: “Cá existem espécies que são relógios, não árvores”. “Flores são cronômetros, copos, mostruários.”// “Se é outono, são bromélias, camélias, azaleias, dálias”// “Se é verão, fogo ardente, flamboyants, radiantes, carmins”. “Estranhas  florações” retornam de certo modo a ideia, e revelam: “Não parecem flores, não parecem frutos,//Estranhas formas, cada estranha criatura!//Exóticas floras, estranhas formosuras”. O fogo é fogo (principalmente no cerrado), apresenta-nos o “Bruxo bruxuleante”// “Bicho fúlgido e fugidio,”//famélico/carburante”. Brasília é “Patrimônio (cultural) da humanidade”, desde o governo José Aparecido de Oliveira. O poeta recomenda: “Não joguem pontas de cigarro no gramado!”. E revela: “Mas, agora, deve-se fazer o registro:/As maiores riquezas naturais dos Cerrados são: céu (…), O céu a doer nos olhos,//Em todos os lados do olhar” vem “(…) de cima da Torre” (que) “mais parece cabine”, conforme observa o poema “Primeiro passeio turístico”. “3×4” nos faz volver ao tempo dos tranquilos “lambe-lambes”. “Passagem de pedestres” leva o leitor pelas “Tardes fugidias” na “Água mineral”, parque por muitos  eleito como ponto de lazer e turismo.
 
Texto transcrito da antologia “Poemas para Brasília”, seção “Esses poetas, esses poemas”, de Joanyr de Oliveira.
 
 

Pulsações de um Planalto Central

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Pulsações de um Planalto Central
 
"Mas é Atenas! Uma Atenas marciana…"
 
        Décio Pignatari – desde a plataforma da Estação Rodoviária,
        contemplando pela primeira vez a Praça dos Três Poderes, em 1965.
        Noutro momento, à beira-lago, indagou de um visitante alemão:
 
Wo sind die Gött?
(Onde estão os deuses?)
 
Nem acrópoles
Nem pirâmides
 
Nem eram antenas
Nem era cidade
 
Eram apelos cifrados
Aos astronautas de Nazca:
 
SQN
(Salvem Quem Necessita)
 
SQS
(Socorro Queremos Socorro)
 
SOS
(Save Ours Souls)
 
Luís Martins da Silva, poeta cearense, natural de Nova Russas.
"Poemas para Brasília", de Joanyr de Oliveira

 

Continue lendo


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …