Posts com a Tag ‘Presidente Juscelino Kubitschek’

Brasília, 4 de janeiro de 1960

Escrito por mariana em . Postado em Linha do Tempo Sem Comentários

Sinfonia de Brasília – O Serviço de Radiodifusão Educativa do Ministério da Educação e Cultura anuncia a próxima divulgação das condições do concurso “Sinfonia de Brasília”, com prêmio de Cr$ 500.000,00 ao compositor colocado em primeiro lugar. A comissão julgadora será composta de três membros, sendo seu presidente o Diretor do Serviço de Radiodifusão Educativa. Os outros dois membros são vultos conhecidos nos meios musicais brasileiros, pois são homens que labutam no terreno da crítica musical há muito tempo. São eles os críticos musicais Otávio Beviláqua, do vespertino O Globo; e o Professor Andrade Muricy, do Jornal do Comércio.

Turismo – A Comissão Brasileira de Turismo discute, em reunião, a possibilidade de instalação de um Bureau de Turismo em Brasília, para funcionamento por ocasião e depois da transferência da Capital.

Discurso presidencial – Em Brasília, nas festas comemorativas ao aniversário do Senhor Israel Pinheiro, presidente da Novacap, o ministro José Sette Câmara, Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, lê um discurso do Presidente Juscelino Kubitschek, impedido de comparecer por motivos de saúde.

Prefeito do Distrito Federal – A convite do Presidente Juscelino Kubitschek, visita Brasília o Senhor J.J. de Sá Freire Alvim, Prefeito do Distrito Federal.


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …