Posts com a Tag ‘Plano Piloto de Brasília’

O ZERO PATRIÓTICO

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

O ZERO PATRIÓTICO
 Cinco cenas de peça teatral
 
   1. Eixos de Brasília Cruz
O menino-D.Pedro II
Dois eixos em ângulo reto: rodoviário e monumental
Ou seja
O próprio Sinal da Cruz
O Sinal da Posse da Terra.
O gesto primário de quem assinala
um lugar ou dele toma posse.
Le Corbusier e o Sinal da Cruz.
"É hoje, sexta-feira, pela manhã, saímos
em terra com nossa bandeira, e
fomos desembarcar acima do rio contra
o Sul, onde nos pareceu melhor
fincar a cruz, para melhor ser vista.
Ali assinalou o Capitão do lugar, onde
fizessem a cova para fincar."
                                             "A Carta do Achamento do Brasil".
 
Edifícios leveza
A ocupação inaugural do deserto
A forma nova pousa sobre
o terreno milenarmente vazio.
 
Concurso para escolha
do Plano Piloto de Brasília.
É Dulcina Pítia, a Actrix-de-Vidro, quem adivinha:
 
Actriz-de-vidro Dulcina
Os elementos podem ser prontamente
aprendidos: o plano é claro, direto,
fundamentalmente – simples – como
por exemplo o de Pompéia, Nancy
o de Londres feito por Wren
e o de Paris de Luis XV
sapatos altos.
 
(continua amanhã)
 
Francisco Carlos
"Abstrata Brasília Concreta", de W. Hermuche

 

Continue lendo

Era um rabisco e pulsava

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

"Era um rabisco e pulsava"

Frase  do poeta Carlos Drummond de Andrade sobre o projeto de Lucio Costa para o Concurso do Plano Piloto de Brasília, na época em que trabalhavam lado a lado no SPHAN – Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 


Brasília "nascendo" na prancheta de Lucio Costa.

Fotos: Arquivo Público do DF

 

Continue lendo


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …