Ronaldo Cagiano na Casa das Rosas

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog do Velho Ranja Sem Comentários

Desconcertos na Paulista com Ronaldo Cagiano.

O Desconcertos, você sabe, são encontros com os responsáveis pelo melhor da literatura brasileira da atuliade, realizado no mais charmoso casarão da Avenida Paulista, ponto de encontro marcado da prosa e da poesia, a Casa das Rosas. Eu convido o autor a trazer três textos para compartilhar com o público: um próprio (inédito ou não), um texto de um autor consagrado que considere seja muito importante para sua própria escrita, e apresentar o texto de um autor jovem que considere seja promissor. E após batemos um papo, descontraído e informal.
 


Ronaldo Cagiano

O Ronaldo nasceu em Cataguases, MG, em 15.4.61 e viveu em Brasília 28 anos, onde formou-se em Direito. Atualmente reside em São Paulo. Livros publicados: Palavra Engajada (poesia, 1989), Colheita Amarga & Outras Angústias (poesia, 1990), Exílio (poesia, 1990), Palavracesa (poesia, 1994), O Prazer da Leitura, em parceria com Jacinto Guerra (contos e crônicas juvenis, 1997), Prismas – Literatura e Outros Temas (reunião de artigos e crônicas, 1997), Canção dentro da noite (poesia, 1999), Espelho, espelho meu (infanto-juvenil, em parceria com Joilson Portocalvo, 2000), Poetas mineiros em Brasília (antologia, organizador, 2001), Dezembro indigesto (Contos, 2001), Antologia do conto brasiliense (2004, organizador), Concerto para arranha-céus (contos, 2004). Todas as Gerações – O conto brasiliense contemporâneo (2006, organizador) e Dicionário de pequenas solidões (contos, 2006).

Reproduzido de desconcertos.wordpress.com

 


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …