Primeira geração

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Primeira geração

(continuação)

Iam crescendo numa ordem rígida
buscando a forma ideal da cidade
(forma/modelo/estilo)
a ordem dos edifícios nas linhas puras
(eixo central da cidade)
a Praça dos Três Poderes
o Palácio da Alvorada
a Catedral
o seriado das superquadras
a paisagem de vidro sob as transparentes persianas

Eis Brasília – cidade nascida do cerrado
dos lençóis dágua represados
da destruição do agreste
(ossos crânios culhões divididos)
tudo à terra misturados – à doce terra-mãe
violentada por uma legião de homens-bárbaros
homens-feras de armas nuas nas mãos
mãos mais fortes que seus instrumentos de trabalho
acostumadas a rasgar o útero das rochas com as unhas
a sufocar entre os dentes as explosões das granadas

A cidade nascia da determinação de homens rebeldes
esticada em suas ligas de aço e cobre
(…)

(continua amanhã)

José Alcides Pinto, poeta cearense, natural de São Francisco do Estreito.
"Poemas para Brasília", de Joanyr de Oliveira


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …