Primeira fala de Brasília

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Primeira fala de Brasília
 
Se indagarem, me permito
a todos pedir lhes digam
que é longe, que nos cerrados
a noite cresce e magoa.
Mas que sem temor prossigam,
que a calma dos descampados
afaga, por mais que doa.
 
Digam
que aqui fui planejada um dia
em pleno ermo e ganhei
o sumo da terra, a chama
que pacifica, que a luta
do homem, brava, alivia.
 
Nem se aflijam com as imensas
distâncias: aqui fiquei,
ficarei, a transmitir
um pouco da sertaneja
paz, da grave e funda
paz rural. Que ninguém tenha
senão plácida tristeza
a que doce é resistir.
 
Álacre eu canto
nas alvoradas mais puras,
nas frescas brisas levado.
Nem há tristeza: há somente
a força do agreste, o sopro
das asas e dos insetos,
silêncio de antes do mundo,
silêncio de antes da vida,
o sono dos vegetais.
 
Alphonsus de Guimaraens Filho, poeta mineiro, nasceu em Mariana.
"Poemas para Brasília", antologia de Joanyr de Oliveira.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …