POEMAÇÃO FEIRA DO LIVRO DE BRASÍLIA

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog do Velho Ranja Sem Comentários

POEMAÇÃO FEIRA DO LIVRO DE BRASÍLIA
1. Recital Poético-Musical Sindicato dos Escritores do DF
Produção Meireluce Fernandes, presidente do SEDF
Local Auditório – Pátio Brasil Shopping
Data 6/09
Horário 15hs
Duração 4 horas
Abertura Poemas musicados pelo Coral Alegria, sob regência de Ana Boccucci e participação especial de Nestor Kirjner
Atuações
Antonio Miranda (Poesia Simbólica)
Eileen Guedes de Paiva e Mello (Jogral em Movimento)
Gustavo Dourado (Cordel Nordestino)
Nazareth Tunholi (Prelúdio à Natureza)
Lurdiana Araújo (Poemas Diversos)
Francisco Teófilo (A Paixão em Shakespeare)
Carlos Porfírio / Jorge Amâncio (Poesia Afro)
Allen Guimarãres (Tempo de Poesia)
Pedrita Braile (Poemas do Coração)
Poesia Gauchesca (Poetas do Grupo Loiva e Bambil do CTG)
Márcia Oliveira (Água ondulante – Haicais)
Ana Carollina da Silva Braz (Poemas Mirins) e
Ida Carla Siqueira Mossri (Poesia para a Poesia)
Suzana Diniz , Pedro Aprígio e Sonia Ferreira.
Ao final, o programa estará aberto a apresentações espontâneas de poetas interessados em mostrar seus trabalhos.

POEMAÇÃO FEIRA DO LIVRO DE BRASÍLIA
2. Cordel e RAP – Recital poético-musical
Produção Gustavo Dourado
Apoio:MeireluceFernandes
Local Auditório – Pátio Brasil Shopping
Data 7/09
Horário 18h00
Participações
Nestor Kirjner
Meireluce Fernandes (SEDF)
Antônio Miranda (poeta, cordenador da I BIP)
Gustavo Dourado (cordelista)
Anand Rao (repentista)
Eudes Brasil (TO, cordelista)
Vânia Diniz (cordelista)
Sandra Fayad (cordelista)
Desafio Rep x Rap: com DJ Japão (rapeiro) e Donzílio Luís (repentista), da Academia Ceilandense de Letras.



Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …