Passagem de pedestres

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

Passagem de pedestres
 
Tarde dourada de pingos,
tapetes de flamboyant.
 
Eis que uma delas atravessa a faixa,
tal e qual vindo da fonte,
a que aos domingos, simplesmente
denomina-se: Água Mineral.
 
Visivelmente, reforçava contornos,
Mestiçagem coleante
de pavão e serpente.
 
Seria até mais bronze se apenas gezela.
Mas atrapalhava listras,
dificultando o foco.
 
Seria a singeleza do sabão esculpido,
imortalidade anônima,
arte do povo,
Feira da Torre.
 
Mas, era só modelo,
Fantasias de desfiles,
Passarela.
Narciso brejeiro,
flor de TV.
 
Tardes fugidias,
névoa seca,
sonhos dispersos.
 
Não joguem pontas de cigarros no gramado!
Inútil incinerar saudades.
 
Luís Martins da Silva, poeta cearense, nasceu em Nova Russas.
"Poesia de Brasília", antologia de Joanyr de Oliveira

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …