O verde e outras cores

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

O CALENDÁRIO FLORAL DE BRASÍLIA

No começo era o pó, vento e poeira, redemoinhos vermelhos sujando o céu.
E o verde dos gramados foi trazido para cobrir o pó. A grama é o sal.
O verde dos gramados divide o ano em duas estações. A seca e a chuva.
Mas é quase sempre primavera no Planalto Central.
O verde dos gramados de Brasília tem uma história.
Vitória sobre a terra ácida e o clima árido. Vitória de biólogos e peões, da genética e da estética
Depois vieram as árvores do Brasil, juntaram-se às árvores do Cerrado
e combinaram uma ordem de flores e cores para marcar o tempo.
Janeiro é verde e amarelo de cambuís que duram dois meses
de flamboyants sangrando as flores de dezembro.
Quaresmeiras e manacás-da-serra anunciam em março o tempo da paixão por vir.
Maio é das paineiras, flores rosas e tufos brancos.
Junho e julho das sibipirunas altivas.
Agosto de grama seca e espatódias tristes.
Glória dos ipês em setembro, roxos, amarelos e por fim os brancos,
saudades da Mata Atlântica.
Sabe-se outubro pelas folhas da Sapucaia que passam do verde ao roxo
Novembro de mangueira em flor virando fruto anunciando a chuva
e um novo começo.
Sibipirunas, cambuís e tantas outras vão passando por nós e pela vida
Erguendo os braços e oferecendo as flores.
Elas por nós o ano inteiro
Ao largo das ambições e dos poderes que por aqui também florescem.

Tereza Cruvinel
Reproduzido do livro “Abstrata Brasília Concreta”, de W. Hermuche.

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …