O poema da curva

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Capa, Internas Sem Comentários

Por Oscar Niemeyer

Não é o ângulo reto que me atrai.
Nem a linha reta, dura, inflexível,
criada pelo homem.
O que me atrai é a curva livre e
sensual. A curva que encontro nas
montanhas do meu país, no curso sinuoso
dos seus rios, nas nuvens do céu, no corpo
da mulher amada.
De curvas é feito todo o Universo.
O Universo curvo de Einstein.
 

Foto: Roberto Castello

Na cidade das retas, as curvas feitas pelos pés do povo encurtam a distância entre dois pontos

Geografia sentimental
Severino Francisco

Leia mais ?

Anotações para os 55 anos
Por Conceição Freitas

Leia mais ?

As profecias que não se cumpriram
Por Silvestre Gorgulho

Leia mais ?

Era um rabisco, e pulsava
Por Carlos Drummond de Andrade

Leia mais ?

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …