Meninos, eu vi

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Meninos, eu vi
 
Vi Brasília antes de sua inauguração.
Vi alvoradas belíssimas,
                         Com cores dignas do melhor pintor.
Vi poeira, vi trocas constantes de caminhos,
Vi desfiles de trabalhadores,
      – não de soldados –
em direção do que seria o Congresso.
Ouvi o barulho da soldagem de sua estrutura,
Vi o ir e vir dos homens que nela trabalhavam,
              pela manhã,
        na hora das refeições
                   e
        do merecido descanso.
Moça da cidade, espantava-me com o que via,
          diariamente:
         parada de civis,
         de trabalhadores.
Participar da construção de uma cidade,
         coisa inédita,
para quem já encontrara a sua pronta.
         E nada parava,
num ritmo constante, acelerado.
        Durante o dia, muito calor,
           à noite, frio assustador.
           Muita solidão eu vivi.
Meu marido trabalhando no edifício
          do Congresso,
Dia e noite, noite e dia,
        Exaustivamente.
Só lamento não ter visto a inauguração.
Vi, apenas, os fogos no céu, de longe.
Tudo ficou gravado na minha retina,
          indelevelmente,
porque fui testemunha da força do ser humano,
          de sua determinação.
 
Branca Bakaj, poetisa natural do Rio de Janeiro.
"Poemas para Brasília", de Joanyr de Oliveira

 


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …