Máscara de Pedra

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Posts Sem Comentários

Máscara de Pedra
Por Israel Pinheiro


Foto: Arquivo Público do DF

Durante três longos anos minha preocupação única consistia em dedicar um esforço sem limites para entregar a cidade em condições de ser inaugurada na data marcada. Atingir esse objetivo exigia que trabalhássemos como se cada hora fosse a última hora concedida e a madrugada viesse iluminar o dia festivo da inauguração. Não nos foram permitidos o ócio, a pausa, a vacilação. Era condição de vitória que todos multiplicassem o esforço para cumprir o compromisso assumido com a Nação, levando, se preciso, seu entusiasmo pelo trabalho e sua identificação com a obra até o limite crucial do próprio sacrifício.


Para conseguir nível tão excepcional de rendimento no trabalho, era necessário que o Chefe encobrisse seus próprios sentimentos sob uma aparente armadura de insensibilidade. E assim sofri, durante três anos imensos, que o Presidente da Novacap fosse apontado como incapaz de premiar e de reconhecer, devorador insaciável de energias e dedicações.

Hoje, que o compromisso com a Nação foi pago no devido tempo, posso me despir daquela armadura que me sufocou por todo o período de construção da nova Capital e abrir minha alma aos amigos e companheiros de todas as horas.

Deliberadamente nunca tolerei que os meus mais íntimos sentimentos filtrassem através da austeridade que me impus e nunca fui pródigo em elogios e manifestações de agrado. Pretendia incutir-lhes a flama do incentivo apenas com o meu apoio e o meu exemplo. Temia que manifestações de regozijo por um bom resultado parcial pudessem levar, na valorização de um imediatismo efêmero, a uma enganadora euforia de vitória total. Mas minha maior alegria, nos momentos de recolhimento espiritual, sempre foi registrar, no meu foro interior, o valor de cada um dos meus companheiros de jornada, cercando-os de toda a força afetiva do meu coração. Por isso, sinto-me agora liberto e inteiramente à vontade para pedir-lhes que me perdoem ter usado, durante três anos infindáveis, a máscara de pedra do Presidente da Novacap.

Trecho do discurso de Israel, então Prefeito do Distrito Federal, por ocasião da homenagem que lhe prestaram amigos e funcionários na data de seu natalício
(4-1-1961)

Fonte: “Brasília: Memória da Construção”, de L.Fernando Tamanini

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …