Lina Tâmega del Peloso

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Decifrando Brasília Sem Comentários

Lina Tâmega del Peloso enlaça ao seu perfil a cidade que aprendeu a
amar, como autêntica pioneira. (Com o marido, engenheiro, aqui chegava
em meados de 1958, na condição de professora de ensino médio.) As
criaturas às janelas se entregam ao sortilégio que se vai impondo,
imperativo, sobre os que vieram apenas para a aventura, mas foram
ficando, enraizando-se na terra através dos filhos, dos netos, pelo
aprendizado desse novo viver. É o que sugere (se o não diz) o poema de
Lina, o primeiro por ela composto para cantar a cidade, depois de
vinte e dois anos! Perdura a palavra que se debruça nos soturnos
caminhos das Minas Gerais, mas brota a nova expressão, o novo cântico,
como flor madura e inconfundível do território do Oeste.

Texto transcrito de “Esses poetas, esses poemas”, da antologia “Poemas
para Brasília”, de Joanyr de Oliveira

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …