José Bonifácio

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Posts Sem Comentários

José Bonifácio

Outro destacado nome na galeria dos ‘mudancistas’ (designação muito usada em finais dos anos 50, e início dos 60, quando se acendrou a resistência dos inimigos da transferência para o Planalto Central, em face da determinação, em seu favor, do Presidente Juscelino Kubitschek) foi o paulista José Bonifácio de Andrade e Silva ( 13.06.1763-06.04.1838), nascido em Santos.
O estadista, cognominado Patriarca da Independência, era escritor e cientista. Apesar de divergências com D. Pedro I, de que lhe resultou prisão e deportação na França, na abdicação ( 07.04.1831) José Bonifácio veio a ser honrado com a tutoria do futuro imperador. O Brasil era ainda Colônia quando o então vice-presidente do Governo de São Paulo, em suas "Instruções aos Deputados à Corte de Lisboa", consignou recomendação relativa à criação de uma capital no Planalto. Ele defendia, em documento anterior, a criação de ‘uma cidade central, no interior do Brasil, para assento da Regência, que poderá ser em 15º de latitude, em sítio sadio, ameno, fértil e junto a algum rio navegável." (Havia fortes divergências, e hostilidades lusitanas.)
Com a independência, José Bonifácio, primeiro-ministro, teve a vitória de ver a proposta de inclusão, entre os Artigos Adicionais de nossa Constituição, da seguinte definição: "O Congresso brasileiro ajuntar-se-á na capital, onde ora reside o Regente do Reino do Brasil, enquanto se não funda no centro daquele uma nova capital.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …