Hipólito José da Costa

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Posts Sem Comentários

Hipólito José da Costa

O jornalista Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça (1774-1823) é outra referência da idéia da capital no interior. Ele fundou em Londres, em 1808, o Correio Braziliense ou Armazém Literário, considerado o primeiro periódico brasileiro. Formato tablóide, capa dura, impresso na Inglaterra, redigido em português, circulou mensalmente durante mais de treze anos – de 1808 a 1822 – e 175 números. Hipólito da Costa considerava o Rio de Janeiro inadequado para sediar o governo, conforme mostra o seguinte trecho de artigo que publicou em 1813:
"Basta lembrar que está a um canto do território do Brasil, que as suas comunicações com o Pará e outros pontos daquele Estado são de imensa dificuldade e que, sendo um porto de mar, está o governo ali sempre sujeito a uma invasão inimiga de qualquer potência marítima."
Queria a capital junto às cabeceiras de um dos grandes rios e defendia a construção de nova cidade, interligada por novas estradas aos portos de mar. Em artigo de 1818, ele volta a considerar o Rio de Janeiro impróprio para a residência da Corte e, alegando manifesto interesse de ter a capital no centro da monarquia, observa que muitos lugares nas campinas do rio Doce e nas vertentes do rio São Francisco "oferecem as mais belas situações para se estabelecer a Corte".

Extraído do livro "Brasília Kubitschek de Oliveira", de Ronaldo Costa Couto.

 

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …