Floramarela

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Posts Sem Comentários

Floramarela
 
Das fulô que vi no mundo
num posso aqui lhe dizer
pois foram tantas e tantas
mas vou tentar descrever
se num falar de todas elas
é que hoje de manhã cedo
as outras eu pude esquecer
apois das fulo mais bunita
que já vi com esses óio
foi as fulo do ipê
 
Vi fulô de girassol
de lírio e algodão
cravo isaac e crisântemo
begônia e cravo leão
a gérbera e a celósia
hibisco inté açafrão
nessas fulô tudim
amarelo eu pude ver
mas as cor nem se parece
cum as fulo do ipê
 
Vi fulo de gameleira
e também de jatobá
de caju, de laranjeira
de algodão, maracujá
Maria Preta, cajazeira
algaroba, pequizeiro e juá
vi as fulô do mamulengo
as fulô do muçambê
e nenhuma é mais mimosa
que as fulô do ipê
 
As fulô do mandacaru
é buniteza de esperança
da chuva que vem chegano
dum povo que nunca cansa
os flamboyant em florada
é espanhola em dança
e as jardineira tem o cheiro
dos dia que vai chover
mas nenhuma me tocou
que nem as fulo do ipê
 
Vi fulô de onze e meia
ingazeira, babaçu
vi o milharal em florada
os bacuri, os cupuaçu
murici, andiroba, açaí
as fulô do mulungu
angico, cedro e barriguda
e de tantas que vi florescer
os meus oio se encantô mermo
foi pelas fulô do ipê
 
Lília Diniz
Reproduzido do livro "Miolo de Pote da Cacimba de Beber"

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …