Festa na quadra

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Posts Sem Comentários

Por Glaucia Chaves

Viviane Oliveira, 38 anos, especialista em comunicação institucional, dispensou os valores altos de locais para festas infantis e organizou o aniversário de 8 anos do filho na entrequadra da 104/105 Sul. O plano inicial era alugar um campo de futebol society, já que o futebol é uma das paixões do menino Vinicius. Mas o aluguel do espaço não sairia por menos de R$ 700. A reforma da entrequadra veio na época da festa e Viviane pensou que seria uma boa maneira de comemorar sem limitar a quantidade de convidados e sem gastar demais. “Antes, havia muitos usuários de drogas, mas consertaram a quadra de esportes, colocaram bancos e campo de areia”.

Faltava pensar em como organizar uma festa de aniversário ao ar livre. Algumas pesquisas na internet depois, Viviane teve uma ideia das providências indispensáveis: saco de lixo, canga, toalha de piquenique, bandeja para o bolo. “Contratamos duas carrocinhas, uma de pipoca e uma de cachorro-quente, que não precisavam de energia elétrica”. O toque final foi dado pela cama elástica e pela comida extra para os curiosos e os passantes. “A inauguração da entrequadra reformada foi no mesmo dia, então muita gente achou que a festinha do Vinicius fazia parte do evento. A cama elástica foi usada por crianças que a gente nem conhecia.”

Viviane acha que os “convidados adicionais” deram justamente o clima que ela queria para a festa: algo participativo, na cidade, para todos. “Mostrou que a quadra está sendo usada pelas pessoas e que a gente está dando valor às melhorias que foram feitas.” Em Brasília há quatro anos, a carioca acredita que sair mais de casa deveria ser uma vontade de todos que vivem na cidade. “Aqui é um lugar bastante criticado por ser muito automobilístico. Cabe a nós mudar isso.”

Em 2010, Daniela Perdigão Lima, 37 anos, também viu no verde da 416 Sul a chance de comemorar o aniversário de 1 ano do filho de uma maneira charmosa e, ao mesmo tempo, barata. A experiência foi tão boa que, este ano, o quarto ano de Tito também foi celebrado embaixo das árvores, desta vez, na 402 Sul. E o pessoal ainda tinha a estrutura do apartamento do meu sogro, que fica na mesma quadra.”

Daniela e o marido montaram mesas com sanduíches, bolo e brigadeiros. No convite, os convidados foram orientados a levar toalhas, brinquedos e o que mais quisessem para um dia ao ar livre. Era chegar, esticar a toalha na grama e curtir uma tarde sem paredes. Algumas crianças da quadra, curiosas com a movimentação, apareceram. “Levamos lembrancinhas a mais, fomos preparados.” Para Daniela, a iniciativa foi só vantagens: é o lugar mais barato da cidade, é lindo e não faz bagunça em casa. “Muitas vezes, deixamos o lugar mais limpo do que quando o encontramos. Já cortamos a grama e tiramos as guimbas de cigarro antes da festa.”

Texto reproduzido da Revista do Correio, Correio Braziliense de 16 de fevereiro de 2014.

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …