Estranhas florações

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Estranhas florações
 
Existem floras, estranhas formosuras,
Brotam de um chão vermelho e calcinado.
Não parecem flores, não parecem frutos,
Estranhos contra um céu profundo, é o Cerrado.
 
Estranhas formas, cada estranha criatura!
Casca grossa, cheiro forte, gosto ácido.
De tão estranhas nem parecem maduras
Mais figuram como seres de um cretáceo.
 
Tudo aqui pareceu estranho ao candango
E também aos que foram pioneiros.
A terra era óxida, as sementes medonhas,
Na própria casa pareciam estrangeiras.
 
Fui conhecendo e amando cada uma aos poucos:
Guairoba, guariroba, cagaita, mangaba, pequi.
Cada qual se apresentando com um nome mais louco:
Articum, araticum, mamacadela, baupari,
 
Agora, que já não causariam nenhum espanto,
Foram-se, deram lugar a safras mais domésticas.
Procuro-as em toda parte e não encontro.
Saudosas espécies de extravagante botânica!
 
Luís Martins da Silva, poeta cearense, nasceu em Nova Russas.
"Poemas para Brasília", antologia de Joanyr de Oliveira.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …