Esta cidade ainda

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Esta cidade ainda

Cidade, saudades de todo o país
te habitam,
goianas, mineiras, nordestinas
ilhas
ligas com neutro sotaque
– e como fazes sofrer
 
Fazes sofrer um bocado.
 
Teus filhos te rejeitaram
ou, quando muito, te esnobam.
Não puderam perdoar
não seres o paraíso
(são teus filhos adotivos),
esperança que a rotina
torna ironia,
dia após outro
e cinzas
– levam, todos, a nada.
 
Teus bandeirantes ingênuos
logrados querem voltar
a suas terras de origem
(algumas já não existem).
 
Acho que não tens culpa.
 
Um a um, eu os vejo abandonar
a planície calcinada.
(Deliro:
na verdade, chegam outros,
muito mais que caberia
nestas aldeias exíguas.)
Não, eles não te habitam
se consultarem o peito
e por isso tuas ruas
– anti-ruas
Semelhantes a estradas –
andam vazias:
eles pensam noutra coisa.
 
(continua amanhã)


Fernando Marques, poeta natural do Rio de Janeiro.
"Poemas para Brasília", antologia de Joanyr de Oliveira.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …