Do Plano da Cidade

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

"Do Plano da Cidade
 
O tempo voa sem plano
                          Há que um plano realizar.
                
                 "O ideal de Tiradentes e
           as pregações de Hipólito em
          prol de uma cidade no interior
           central do Brasil , tiveram em
            José Bonifácio de Andrada e  
                    Silva o primeiro homem
          executivo a incorporar a idéia e
              lutar para dar-lhe a forma de         
                            decisão nacional."
 
O tempo voa sem plano.
                          Há que um plano realizar.
Até aqui tanto plano
                          abrindo asas no sonhar.
 
                              "Francisco Adolfo de
                Varnhagen aliou suas pujantes
                     condições de escritor às de
           geográfo e antropólogo clarividente
                              para se constituir, na
                História, o mais perseverante e
                  erudito defensor e planificador
                     do ideal de interiorização da
                      Capital brasileira, durante o
                                                 Império."
 
O tempo voa sem plano.
                          Há que um plano realizar.
Até aqui tanto plano
                         abrindo asa no sonhar.
Tanto sonho empassarado
                         lutando para aterrisar.
 
                                  "O arquiteto Oscar
                   Niemeyer foi escolhido para a
                       chefia do Departamento de
                Urbanística e Arquitetura, sendo
                   encarregado de abrir concurso
                      para escolha do plano-piloto:
                 assim, em março de 1957, uma
                  comissão julgadora constituida
                     por sir William Halford, Stano
                     Papadaki, André Silva, Oscar
                        Niemeyer, Luis Hildebrando
                  Horta Barbosa e Paulo Antunes
                      Ribeiro escolheu o projeto do
                               arquiteto Lúcio Costa."
 
O tempo voa sem plano.
                          Há que um plano realizar.
Até aqui tanto plano
                          abrindo asas no sonhar
Tanto sonho empassarado
                          lutando pra aterrisar.
 
Agora, plano pousado.
                          Capital. De alto pousar.
 
                              …" um pássaro, cujas
                         longas asas, ligeiramente
                          curvadas para baixo, são
                formadas por um eixo estrutural
                       (de 13km) que une as alas
                     residenciais norte e sul sem
                    qualquer interrupção e passa
                         sobre o eixo monumental
                          (perpendicular) em plano
               superior, com ampla perspectiva
                para a testa da cidade. Aí fica a
                        esplanada dos Ministérios
                    formada de imenso tapete de
                   grama e ladeada pelos blocos
                                      dos ministérios."
 
O tempo voa sem plano.
                         Há que um plano realizar.
Até aqui tanto plano
                         abrindo asas no sonhar.
Tanto plano empassarado
                         lutando pra aterrisar.
Agora, plano pousado.
                         Capital. De alto pousar.
Planando alto, planando alto,
                         no coração do Planalto
um pássaro singular."
 
Poetisa Stella Leonardos, nascida no Rio de Janeiro.
"Saga do Planalto", 2002.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …