De novo caminharei pelo eixo rodoviário

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

De novo caminharei pelo Eixo Rodoviário
contra a brisa do altiplano,
lá, onde o céu teve de alongar-se para tocar a terra.
O pulso está firme, ritmado. O corpo venceu a morte.
Por quantos dias, anos, só as Parcas
sabem e a ninguém o dizem.
Quisera voltar desoprimido, leve,
afastar meus espectros,
sem eximir-me,
pensão do homem,
a trabalhos, dores.
Alegria, minério raro!
Mas sei que logo me erguerei contra mim
serei meu pior inimigo
recriminatório, batendo os punhos no peito, carregado de
                                                                       /culpas,
atormentado de não ser o que desejara.
 
Ó alma, tanta vez imaginariamente atribulada,
pudesses ao menos fruir com sabedoria a dilação que te ou-
                                                                         /torgaram!
 
 
Cyro dos Anjos, poeta mineiro, natural de Montes Claros.
Poema transcrito da antologia "Poemas para Brasília", de Joanyr de Oliveira

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …