DE BRASILIAE CAPITE

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

"O meu governo, como sabeis, tem as vistas voltadas para o interior e se empenha devotadamente em que o país procure o seu natural centro de gravidade, valorizando as grandes áreas do ‘hinterland’. Brasília é o corolário desse movimento para dentro: é, ao mesmo tempo, meta e ponto de partida, porque a marcha para o interior se frustrará, sem aquela base de apoio."
Palavras do Presidente Juscelino Kubitschek, em 28/04/1957, no Rio de Janeiro.

 
 

DE BRASILIAE CAPITE *

 
        Oh! urbs,
                   serva tempõris
                            et caelõum…
 
        Ubi est laetitia
            populi tui!?…
 
      
        Oh! íncola
                    templi marmoris,
                    – cor tuum
                          ubi est!?…
 
 
* Poesia em latim
Hélio Soares Pereira, "Onde o horizonte vem esconder-se"

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …