DA AMPLIDÃO

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília, Poemas para Brasília Sem Comentários

Azulejo de paredes frias
Montanha de pele surda
Jornal amarfanhado
                             nos dentes dos aviões?
                             Planta uiva podre
                             Lago avenida
                             e torre:
                                    sangue
Dentro da nossa febre
sempre cantam estas cigarras
                              tontas e lerdas
                               brancas e pardas
                               Pode ser
                               este horizonte retilíneo
                               ou o ônibus
                               ou a pressa
                               quem sabe o vazio das vielas?
Que a cidade detém os pássaros
                                  nas artérias do vento
                                  Manhã nem é dia
                                  para a rede Macunaíma
                                  e o tempo aleijadinho
só vomitou pedras lodacentas
                                  Tantas vezes
                                  as mãos eram socos
                                   nos olhos desta cidade
No entanto
o asfalto luzidio:
                                   não se sabe
                                   por onde foi
                                   o mar
                                   desta cidade
                                   Não se retomará quase nada
                                   Nem mesmo é um jeito
                                   de se sorrir dos palácios
                                   A tortura
                                   não esmaga o eixo das flores amarelas
                                   Ou talvez
                                   não mais se sonhe
                                   por aqui
Vindos do Brasil inteiro
                                   inteiros não somos mais:
                                   a cidade estraçalha
                                                   nossos corpos famintos
                                   a cidade espicaça
                                                    nossos sonhos famintos
E famintos:
               não se sabe
               por onde foi
               a canção
               desta cidade
               Mormaço calor cerrado
               espaço branco azulado
               chuva rente primavera
               Alegria a gente inventava
               sem precisar de máquinas
Hoje realmente
               não se sabe
               por onde foi
               por onde foi
               por onde foi?
 
Stela Maris, poetisa natural de Nova Granada (SP)

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …