Crepúsculo sobre o Lago Paranoá

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Crepúsculo sobre o Lago Paranoá
 
Repousa o lago – manso fluir de dorso espiritual,
leito azul-esverdeado na tarde de pássaros enternecidos.
Flora sombria, telhados e paredes,
superfície de meandros contornando a cidade,
alfombras, álacres tonalidades, púrpura evasão,
claridade vertendo cores nas águas.
Densidade obscura e translúcida, estremecimento de fragrâncias,
lívido céu rubro-acinzentado na calma espraiada.
Brisa gélida flui, borbulha o éter anímico,
azul trêmulo de luzir lunar: murmúrios de luz.
Repousa e passa o lago entre fulgores,
ebulição inerte da vegetação, sono dos bosques,
sagração da noite.
Perplexidade, quietude, harmonia,
suave claridade.
 
Márcio Catunda, poeta cearense, nasceu em Fortaleza.
"Poemas para Brasília", antologia de Joanyr de Oliveira.

 

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …