Convite

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog do Velho Ranja Sem Comentários

A comédia musical Últimos apresenta a história de um movimento de homens e mulheres sem-teto. Foi escrita em versos e contém dez canções, que constam do CD encartado no livro.

A marcha dos Últimos atravessa as ruas, passa por uma disputa interna para definir um líder (quando se promove um "campeonato de sofrimento") e se defronta, enfim, com o prefeito Fernando Fernando, representante da ordem. 

Há uma trama subsidiária, envolvendo a rivalidade de dois homens em torno do amor de uma mulher.

As músicas passeiam por gêneros diversos. Os cantores Celia Rabelo, Eduardo Rangel e Wilzy Carioca (além do autor) e os instrumentistas Jaime Ernest Dias e Oswaldo Amorim, entre outros artistas, participam do disco, que tem arranjos de José Cabrera.

O dramaturgo contou, no argumento, com a colaboração de André Amaro. O livro traz ilustrações de Sergio Kon, prefácio da ensaísta Ilka Marinho Zanotto e apresentação do escritor Luiz Ruffato.
 

Fernando Marques é professor universitário, jornalista, escritor e compositor. Autor dos livros Retratos de Mulher (poemas, Varanda) e Zé (teatro, Perspectiva) e de canções como "A Profissão de Cátia". Tem trabalhos publicados nos jornais Correio Braziliense, O Globo, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde e Rascunho e em revistas como Cult e Folhetim. Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília com tese sobre teatro musical. . Parte de sua produção acha-se em www.fernandomarques.art.br

O coquetel de lançamento de Últimos acontece no dia 20 de junho, sexta-feira da semana que vem, aqui em Brasília; e dia 27 de junho em São Paulo.

Para outras informações: http://arthurtadeucurado.blogspot.com

Grande abraço!

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …