CENAS DE UMA CINQUENTONA

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

CENAS DE UMA CINQUENTONA

Brasiliense qualquer: Moço, fui ao banco lá no Paranoá
e disseram que meu benefício não consta no sistema
para pagamento do INSS.

Atendente: Minha senhora, eles devem ter errado. Volte lá.

Brasiliense qualquer: Meu senhor, eles não erraram.
Está vendo o carimbo do gerente aqui, ó. Está escrito:
benefício não encontrado.

Atendente: Minha senhora, então ainda não foi pago!

Brasiliense qualquer: Meu senhor, vocês enviaram um
documento oficial para minha casa informando a data
de pagamento do benefício. Foi liberado dois dias atrás!
Olhe aqui o papel de vocês.

Atendente: Então, me deixe ver no sistema.
(digita no computador)

Brasiliense qualquer: Ok.

Atendente: Foi liberado sim. O pagamento está nesta
agência do Banco do Brasil na Asa Sul.

Brasiliense qualquer: Meu senhor, eu vim aqui ontem para
me certificar de que o banco certo era o Itaú do Paranoá,
lembra? Estranhei a informação, pois é muito longe da
minha casa. E agora o senhor, que ontem confirmou o endereço,
me diz que o banco certo fica na Asa Sul?

Atendente: A senhora foi ao banco errado, foi isso.

Brasiliense qualquer (gritando): Mas qual a razão do erro?

Atendente (olha para o segurança): Minha senhora, deixe
disso. Vá ao banco e receba seu benefício direitinho, viu?

Liziane Guazina, poetisa gaúcha.
http://entrefacas.blogspot.com
transcrito do livro “50 anos em seis”, Teixeira: gráfica e editora

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …