Canção dos pioneiros

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

"Canção dos pioneiros
 
(Eu vi o candango triste
cantando sobre o planalto
a canção dos pioneiros
a canção cantava assim:)
O Palácio da Alvorada
não é castelo de mouro
nem coisa do arco-da-velha
nem morada de fidalgo
rei de Espanha ou qualquer outro:
é um palácio de cristal
leve armadura de ventos
em doces linhas montado
rítmo de pauta emendado
ou vôo curvo de pássaros
voando entrelaçados
por entre os vãos do palácio
 
Bandeira dos pioneiros
presa a uma haste de prata
bandeira deste país
erguida sobre o planalto
(que a brisa beija e balança)
no gênio de Castro Alves
e mais heróis legendários
 
Mais brasileira essa terra
com esta bandeira-perfil
de Brasília construída
com cruz plantada no chão
linguagem e poema pátrio
(flor do Lácio inculta e bela)
no poema de Bilac
 
No sonho dos bandeirantes
mártires e heróis brasileiros
tamoios/confederados
(de Fernão Dias Paes Leme
Mororó e tantos outros
Frei Caneca e Tiradentes
que a liberdade é uma só
praeiros & inconfidentes)
 
O Palácio da Alvorada
– cisne nadando em espuma -
moça-virgem de grinalda
donzela de seio-pluma."
 
José Alcides Pinto, poeta cearense,
nascido em Santana do Acaraú.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …