Brasília Poética no Twitter

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Página Principal Sem Comentários

+ mais lidas

“Em Brasília se tem o céu baixado,
reles do chão,
ou é a terra que sobe no rumo da amplidão;
claridade dela é tanto que se nega a escuridão”
“Brasília guarda um segredo,
o de ter sido possível”
“Os ossos de Brasília são feitos
de concreto armado”
“Brasília é uma Canudos do
século 20”
“(Brasília) É assim eficiente, acolhedora e íntima.
É ao mesmo tempo derramada e concisa, bucólica e urbana, lírica e funcional”
“Como ela veio não se sabe
nem como viria se soube”
“Cubro seus vértices de rosas e as rosas
desabrocham cimento”
“Como manter meu andar
torto em ruas não-ruas tão
certas?”
“Ébrio de céus e nuvens, vi num amanhecer esses horizontes multimilionários” “Para oeste, assim como quem
de um mirante avista o reflexo
de uma cidade imaginária e, para ter,
inventa-a”
“Nem há tristeza: há somente a força do agreste, o sopro das asas e dos insetos,
silêncio de antes do mundo”
“Antes do começo, era o sertão, só e ríspido. Vegetais cheios de ódio
fitando os céus impossíveis”
“E tu, ó musa, que amas o deserto
E das caladas sombras o mistério”
“Sob os céus do meu país
a lua amola suas facas vermelhas”


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …