Brasília – Março de 1959

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

 

 

BRASÍLIA 1959
Março

 

 

Ministro Norueguês

“Só o espírito jovem das Américas poderia construir obra pioneira tão grandiosa como Brasília. O europeu, com séculos de tradição, jamais poderia ter iniciativa tão arrojada”.

A declaração é do sr. Arne Skang, ministro norueguês, durante visita este mês à Brasília.

Congresso de Prefeitos

“Se for preciso, pegaremos em armas contra aqueles que pretenderem impedir essa grande obra”. Frase do representante de Montes Claros, durante Congresso de Prefeitos Mineiros e Goianos, realizado na cidade de Unaí (MG).

Cholly Hnicherbocher

“Brasília é um estupendo milagre. Uma cidade fabulosa, ultra-moderna, erguida em plena selva pela energia, coragem e o gênio do homem. Em cada esquina, um edifício estoura do solo e se ergue em direção ao céu. Estradas rasgam-se em todas as direções. A construção do edifício do futuro Congresso está muito adiantada: como será, no entanto, depois de pronto, só o senhor Niemeyer pode nos dizer. Em Brasília, tudo é assim”.

O comentário é do Governador de Nova Jersey e Sra Robert Meyner que acompanharam visita do jornalista Cholly Hnickerbocker à Brasília a convite do presidente Juscelino Kubitschek.

Grupos Geradores

A firma Burmeiter & Wain, da Dinamarca, por intermédio da Cia. T. Janér, forneceu para o palácio presidencial em Brasília, dois grupos geradores Diesel-Elétricos inteiramente automáticos numa capacidade total de 850 kw. Assim, está assegurado o fornecimento ininterrupto de energia elétrica ao Palácio da Alvorada, sendo esta a primeira usina Diesel-Elétrica inteiramente automática existente no Brasil.

Livros sagrados

O sr. Chamum Chalita, na qualidade de delegado da Liga dos Estados Árabes, entregou no escritório da Novacap, ao Dr. Ernesto Silva, para fazer parte da Biblioteca Nacional de Brasília, três preciosos livros, sendo um exemplar de “Al Coran”, um da “Bíblia Sagrada” e a obra “O Profeta”, escrita por Gibran, considerado o mais famoso filósofo moderno dos povos árabes.

Rodovia Belo Horizonte-Brasília

O Ministério da Viação e Obras Públicas comunica que estão prontos mais 370 quilometros de terraplenagem e, praticamente, as 16 obras num total de 948 metros, da Rodovia Belo Horizonte –Brasília.

Visita honrosa


Foto: Arquivo Público do DF

A Duquesa e a Princesa Kent estiveram em Brasília, tendo sido recebidas no aeroporto pelo dr. Israel Pinheiro, presidente da Novacap, que as conduziu ao Palácio da Alvorada, onde as esperavam o Presidente Juscelino e Sra. Sarah Kubitschek.

Ao chegar ao Palácio da Alvorada, a Duquesa de Kent passou em revista às tropas da 6ª. Companhia de Guardas, aquartelada em Brasília, que prestou, na ocasião, as honras de estilo. Em seguida, percorreu o edifício do palácio em companhia do presidente Juscelino Kubitschekm e de sua esposa.

A Duquesa examinou detidamente todas as dependências do Palácio da Alvorada e fez questão de conhecer o sr. Oscar Niemeyer, a quem foi apresentada, fazendo-lhe muitas perguntas sobre o que qualificou de “uma das obras máximas da moderna arquitetura mundial”.

Também os quadros, tapeçarias e outra decorações da residência oficial mereceram exclamações de franca admiração de Sua Alteza.

Pouco depois, acompanhada do presidente Juscelino Kubitschek, a duquesa de Kent visitou as principais obras da nova capital, demorando, na Praça dos Três Poderes, onde verificou a marcha dos trabalhos de construção dos edifícios do Congresso com 16 dos 28 andares de estrutura de ferro já levantados e com a cúpula do Senado já concluída e em fase de conclusão a concha da Câmara dos Deputados.

John dos Passos

John dos Passos, famoso escritor norte-americano, autor do “Paralelo 42”, esteve visitando o Brasil e acabou, como todo visitante ilustre, indo até Brasília.

O Palácio da Alvorada, os projetos de Lucio Costa e Oscar Niemeyer, a beleza e o clima da região encantaram-no. Com a sensibilidade própria de um romancista, John dos Passos, visualizou, naquele movimento febril de máquinas e de homens, que constroem Brasília, a cidade ultra-moderna, que, em futuro próximo, surgirá ali.

Impressionado com a fabulosa realidade nascente de Brasília, John dos Passos registrou suas impressões em um artigo que será publicado em todas as edições do Reader’s Digest – Seleções.

Tia Margarida vai a Brasília

Encontra-se em circulação, o primeiro livro para crianças, do prof. Jayme Martins, sobre a

nova Capital. Trata-se de um livro de ficção “Tia Margarida vai a Brasília”, que o autor, com seu estilo incomum, escreveu, contando toda a história da mudança da Capital desde os primeiros pronunciamentos, até o presente, quando Brasília, já se torna uma realidade, pela tenacidade e denodo do presidente Juscelino Kubitschek.

Destina-se este livro de história às crianças do Brasil, mostrando-lhes como os homens de fibra lutam e vencem. O professor Jayme Martins escrevendo esta obra, a primeira no gênero, sobre a mudança da Capital, prestou um grande serviço, não só à Pátria, mas a toda juventude brasileira e se incorporou aos escritores patrícios como Monteiro Lobato, Humberto de Campos, Viriato Corrêa, Josué Montello, Franklin de Salles, Clemente Luz e muitos outros, que dedicaram parte de suas vidas, de seus afetos, contando histórias das belezas e grandezas de nossa terra, enaltecendo-a, e exaltando os feitos heróicos daqueles que derramaram o seu sangue e o seu suor para que ela sempre sobrevivesse firme, bela e altaneira no coração de seus filhos.

É assim o livro do escritor em apreço, pleno de poesia, repleto de glória, com emoções em cada instante e ensinamentos sobre a Nova Capital que surge em pleno sertão brasileiro, como raio de sol entre as moitas floridas, convidando o povo para a festa do progresso do Brasil gigante.

 

Fonte: registros transcritos da revista “Brasília”, da Novacap, edições de março de 1958 e 1959 (números 15 e 27, respectivamente)


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …