Brasília – Fevereiro de 1958

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

 

 

BRASÍLIA 1958
Fevereiro

 

A mais brasileira
No discurso do Segundo Aniversário de seu Governo, o presidente da República, assim se referiu a Brasília:
“Quando assumi o Governo, a criação de uma nova capital no centro do País pervagava no domínio dos mitos. Durante décadas, a única solução dada ao problema fora meramente cartográfica: nos mapas do País desenhava-se um retângulo de cor assinalando a localização do futuro Distrito Federal.
Prometi ao povo brasileiro que, encerrada a minha gestão, haveria de dar ao País, através de um novo centro administrativo, um novo sendo de sua unidade e, por conseguinte, de sua existência orgânica. Creio que são poucos os que, hoje, duvidam da seriedade da minha promessa, da determinação de meu intento. Brasília, sem ser ainda a Capital, já é o orgulho e a esperança de todos os brasileiros – um motivo de admiração para o mundo. Antes mesmo de instalar-se, estará ligada aos nossos centros urbanos mais adiantados, unificando o que ainda constitui, mais do que a Nação, o arquipélago brasileiro. Brasília é uma realidade. Não preciso insistir em que a transplantação da Capital para seu sítio próprio é o marco de uma nova era, de uma concepção mais realista e mais correta de todos os problemas da nacionalidade. Agradeço a Deus o privilégio que me concedeu, de ter contribuído para a realização de um empreendimento dessa magnitude”.

Visita honrosa
Visitou Brasília o Presidente do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, William Burden, que ficou maravilhado com a construção da futura capital brasileira. “Simplesmente maravilhoso”, disse.

Palmeiras para Brasília
Cinco mudas da palmeira que Dom João VI plantou em 1809, no Jardim Botânico, em Petrópolis, foram oferecidas por Tibyriçá Reys à direção da Novacap, por ocasião da visita que um grupo de funcionários do Banco do Brasil fez a Brasília.

Pan American
Diretores da Pan American e outras personalidades norte-americanas, que ora realizam uma viagem pela América do Sul, estiveram em visita a Brasília, juntamente com diretores da Panair do Brasil e jornalistas.

Pioneiras em Brasília

Esteve em Brasília, em companhia de suas filhas, a Sra. Sarah Kubitschek que foi à futura Capital inspecionar as campanhas que as Pioneiras Sociais realizam ali sob a orientação da Sra. Israel Pinheiro. Com poucos meses de existência, as Pioneiras de Brasília já contam uma enorme folha de serviços prestados. Assim é que um Hospital Volante percorre os diversos acampamentos de operários prestando graciosamente, assistência médico-social. O setor de Corte e Costura confecciona roupa para os escolares.

Aeronáutica
Por determinação do Ministro da Aeronáutica, estão sendo realizadas em Brasília as primeiras obras destinadas aos serviços da Força Aérea Brasileira. Assim é que, no dia 21 do corrente, foi iniciada a construção do alojamento-piloto para militares da FAB, destacados na nova capital.
Os trabalhos deverão estar concluídos dentro de quarenta dias, o que proporcionará ao pessoal da FAB para ali designado, acomodações condignas e melhores condições de trabalho. Atualmente, a Força Aérea Brasileira está representada, em Brasília, por um destacamento comandado pelo major-aviador Francisco de Assis Lopes.

Nação nova surgirá
“Creio firmemente na nova Capital. Aliás, sempre fui apologista de se melhorar o interior do país. Há necessidade de se aproveitar o território nacional. Precisamos nos expandir. E o país, tão desconhecido em seu interior, conhecerá novos rumos quando ali estiver funcionando a sede do Governo”. A declaração é do Dr. Thales de Melo, inspetor da Alfândega de Santos, após visita a Brasília.

Ensino em Brasília
O Dr. Célio Fonseca, inspetor do IBGE, em Goiás, deu-nos a presente e valiosa colaboração sobre o ensino em Brasília:
“Acham-se funcionando na futura Capital dois cursos ginasiais e sete de ensino fundamental, sendo:
Dois ginásios (o Colégio Brasília, situado no Núcleo Bandeirante e o Colégio Dom Bosco; o primeiro de iniciativa particular, e o segundo, construído pela Novacap e entregue à direção das Irmãs Salesianas.
As atividades tiveram inicio em 15/3/58, tendo uma matrícula total de 153 alunos no curso ginasial.
Os dois ginásios mantém cursos primários. Existem ainda os seguintes estabelecimentos de ensino fundamental, situados no Núcleo Bandeirante: Escola Paroquial Nossa Senhora de Fátima, Instituto Educacional Brasília, Escola Primária Presbiteriana, Escola da Igreja Metodista, bem como o Grupo Escolar da Novacap (GE-11), no acampamento central.
O numero de alunos matriculados em todos os estabelecimentos ascende a 993 alunos, sendo 429 do sexo masculino e 504 do sexo feminino.

A Novacap prossegue vertiginosamente os trabalhos da construção de Brasília e fevereiro de 1959 apresentava a seguinte posição:

O edifício do Congresso Nacional toma forma e vulto, já com a cúpula do Senado Federal pronta, armando-se a da Câmara dos Deputados.

Os Ministérios públicos em estrutura metálica, já com quatro estruturas completamente armadas, entregues a firmas especializadas para o revestimento.
O edifício anexo do Congresso Nacional encontra-se no 6º. Pavimento.

O Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal caminham para a primeira laje, delineando-se em toda a sua pujança e majestade.
No que concerne a barragem do rio Paranoá, o canal para o desvio, a escavação do vertedouro e a segunda fase da impermeabilização, estão concluídos. Também concluídos os trabalhos do reservatório d’água e anexos. Em construção, a usina para o tratamento d’água.

Os Institutos ultimam vários blocos de apartamentos. A Fundação da Casa Popular, que inaugurou, em 1958, 500 casas populares, está construindo mais três mil pequenos apartamentos.
As construções da iniciativa particular também avultam. A firma Ecel terminou a construção de 37 casas duplex. Vários bancos iniciaram a construção de suas sedes.

A Caixa Econômica Federal construiu 74 casas duplex e 40 lojas.
Fonte: revista “Brasília”, edição de fevereiro de 1958.


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …