BRASÍLIA: epopeia, épicos e ícones.

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Capa Sem Comentários

JK e Andre Malraux em BrasíliaJK e Andre Malraux em Brasília – Foto: Arquivo Público do DF

Por Cláudio José Pinheiro Villar de Queiroz

“O valor cultural da nova capital brasileira está em sua realização e no significado
transcendente de sua autenticidade estético-simbólica. Trata-se de síntese identitária
sofisticada, decorrente das arkées mais antigas, reveladas pelos traços nitidamente
diferenciadores – contextuais e universais – da urbanística e da arquitetura,
aqui concebidas e realizadas.”

Leia mais >

Travessia do Eixão

“Eu morava na 414 e a Noélia na 309 Sul, estrategicamente ao lado do Beirute. Andava muito a pé naquela época e atravessava o Eixão diariamente. Daí surgiu o poema que foi publicado no meu livrinho mimeografado. O Nonato Veras colocou a melodia na letra e o Liga Tripa começou a divulgá-la, transformando-a num grande sucesso. Renato Russo gostava de cantar a música em estúdios, para calibrar a voz e os instrumentos. Mais tarde, Travessia do Eixão foi gravada no Outra Estação, CD da Legião Urbana de 1997″
Nicolas Behr

Ouça a música:

O palácio, a lua e o astronauta

Lua de Brasília
Foto: Marcos Brandão

“Nós que andamos no espaço, gostamos de Brasília mais do que qualquer outro povo”

Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua. Declaração foi feita ao visitar a capital brasileira, ao lado de Michael Collins, em outubro de 1969.

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …