BRASÍLIA

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas, Converse com os Poetas Sem Comentários

Beleza que contorna a norma brusca, e renasce

Se torna inumerável de vida

Faz do céu uma plataforma azul

Onde mora o mistério do simples e infinito.

 

Em anos, dias mais belos e puros

Dançarei nos seus frágeis outonos

Cúmplices de seus seios brancos

Sem medo ou fúria de falsos donos

 

Mas nessa primavera de tristezas,

Acalento todas nossas saudades desatinadas

ao som de todo nosso silencio amargo

Brincando fazer tuas esfinges de sol coroadas.

Amo mesmo tudo que não posso tocar, mas que me toca sem sentir.

Thais Lima Rocha

Poema transcrito do Concurso Nacional de Poesias

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …