Brasília

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

                                                          "…E te ergueram do vermelho nada 
                                                                         do planalto…"

 
Brasília
 
              A Maria Lúcia do Nascimento Pereira
 
Contam que Lúcio Costa, há tempo,
riscou duas linhas no guardanapo enquanto bebia
                                                                    [sua cerveja.
Agora, dizem alguns que tens a forma de uma cruz.
Talvez sejam religiosos e precisam de ti para apoiar sua fé.
A maioria te assemelha a um avião.
Talvez porque de crianças sonhavam ter asas.
Outros sobem à torre de televisão antes de proferir
                                                                    [qualquer julgamento.
São os amadores de afirmações infalíveis.
Muitos nada vêem além de tuas casas cômodas.
São os mais tristes, os faltos de imaginação.
 
 
Os candangos nem se interessaram pelo símbolo.
Pensavam somente que com aquele guardanapo
                                      [poderiam ganhar a dura vida.
E te ergueram do vermelho nada do planalto.
 
Rúmen Stoyanov, poeta búlgaro, natural de Draganovo.
"Poesia de Brasília", de Joanyr de Oliveira.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …