Brasília

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília 3 Comentários

Brasília
Cidade bela,
tão ampla em teus horizontes…
A tantos sonhos
erguestes pontes…
A tanta vida
foste alvorada…
Cidade alada,
braços alados, sempre tão abertos,
teus verdes espaços.
Tal liberdade dás aos que os seus sonhos
embalam em teus braços,
pois que tu mesma de um sonho nascestes.
Cidade celeste…(…)

Lúcia Helena Galvão, poeta brasiliense
Poema transcrito da coluna “Tantas Palavras”, Correio Braziliense 21/08/2012

Trackback do seu site.

Comentários (3)

  • Lucia Helena Galvão

    |

    Segue o poema completo:

    BRASÍLIA

    Cidade bela,
    tão ampla em teus horizontes…
    A tantos sonhos
    erguestes pontes…
    A tanta vida
    foste alvorada…
    Cidade alada,
    braços alados, sempre tão abertos,
    teus verdes espaços,
    Tal liberdade dás aos que os seus sonhos
    embalam em teus braços,
    pois que tu mesma de um sonho nascestes,
    cidade celeste…
    de céu tão amplo em possibilidades,
    tão propensa à criação,
    a soltar pipas e a imaginação
    e a extasiar-se ante a beleza desse teu poente…
    Cidade ardente,
    terra vermelha, coroada em arcos por um céu enorme…
    Os teus ipês despertam em delírio enquanto a terra dorme,
    e tuas mãos-cerrado brindam ao céu em misteriosos mudras,
    em silencioso e expressivo culto à tua liberdade,
    simples cidade,
    singelos riscos, geoglifo aberto, mensagem ao celeste…
    Se aqui nascestes,
    padecerás de estranha asfixia em qualquer outra terra,
    pois que nenhuma ousa dar aos filhos tanto ar e espaço…
    Só teu regaço,
    e a frustração de jamais estreitar-te em apertado abraço,
    pois que tu és, por natureza, avessa a estreitos limites,
    vivo convite
    a alçar vôo sobre a terra rubra rumo a um céu em brasas,
    teus filhos também possuem asas,
    teu céu é meta permanente.
    Teu seco ar dá leveza
    e torna afeito ao Fogo o peito
    de teus nativos,
    altivos filhos de uma terra
    com vocação de fênix.
    E a cor que tanto amas,
    com que tinges céus e terra,
    também tinge o que há em nosso peito,
    uma vez que teus traços herdamos,
    uma vez que te amamos, Brasília.

    http://www.luciahga.blogspot.com

    Responder

  • Marina de Abreu

    |

    Um Brasil anônimo, de riquezas incontáveis e um povo com imensa capacidade de fazer as coisas acontecer.

    Responder

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …