BRASÍLIA

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

BRASÍLIA

A letra trêmula
na carta da mãe
marca outro mês
neste calendário estóico.
A cidade continua,
ilustríssima desconhecida,
como todas as cidades são.
Em maior ou menor
grau de integridade,.
Mas é diferente:
aqui desaprendi a chorar.
A sensação de não ter casa
faz a gente criar casulo dentro de si.
Ver beija-flor onde só tem solidão.
Beija-flor lembra a mãe
A mãe é a tradução da saudade.
Antes de dormir,
penso em voltar mais uma vez.
Avalio perdas e danos.
Fico.
Com ambos.

Post poetisa Paola Daniella da Fonseca Rodrigues
Poema transcrito da coletânea “Concurso Nacional de Poesias”

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …