Linha do Tempo

Brasília, 17 de fevereiro de 1960

Caravana de Integração Nacional – O Coronel-Aviador Lino Romualdo Teixeira, sub-chefe do Gabinete Militar da Presidência da República e o Senhor Waldir Bouhid, Superintendente do Plano de Valorização Econômica da Amazônia, que chefiaram a Coluna Norte, da Caravana de Integração Nacional, enviam ao Presidente Juscelino Kubitschek de Porto Alegre, o seguinte telegrama:
“Comunicamos ao eminente Presidente que a Coluna Norte da Caravana de Integração Nacional acaba de completar a última etapa de sua vitoriosa caminhada. Partindo de Belém e tendo como objetivo inicial atingir Brasília, a Coluna, após memorável encontro com V. Excia, na nova Capital, prosseguiu viagem até o Rio de Janeiro, estendendo-a ao Rio Grande do Sul, a cuja capital chegou às 18 horas de ontem, depois de cruzar os Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. A Coluna Norte, com esta travessia histórica, realizou uma viagem de verdadeira integração nacional, percorrendo todo o Brasil, de Norte a Sul, em rodovias construídas por engenheiros e trabalhadores brasileiros, numa extensão de mais de cinco mil quilômetros, em veículos de fabricação nacional, concretizando duas metas importantes do seu dinâmico e patriótico Governo – a rodoviária e a automobilística. A Coluna Norte da Caravana foi recebida em Porto Alegre pelo governador Leonel Brizola e pelo prefeito Loureiro da Silva, nos palácios do Governo e da Prefeitura, sendo saudada por ambos, que ressaltaram a obra governamental de Vossa Excelência e a sua grande repercussão econômica e social, em todo o país. O povo gaúcho encheu as ruas e avenidas que constavam do trajeto da caravana em Porto Alegre e aclamou, com vibração e entusiasmo, o nome do Presidente que promoveu a unificação física do Brasil, através do seu programa de governo.”

Reunião ministerial – A fim de tratar da mudança do Governo para Brasília realiza-se, pela manhã, no Palácio do Catete, uma reunião entre os Ministros de Estado, os chefes dos Gabinetes Militar e Civil da Presidência da República, o Presidente do Banco do Brasil, o Diretor Geral do DASP e o secretário do Grupo de Trabalho para a mudança da Capital para Brasília.
No decorrer da reunião, as autoridades demonstram perfeita coesão e identidade de pontos de vista no que diz respeito à mudança da Capital para Brasília na data legalmente fixada, estando todos os Ministérios em condições de se instalarem na nova Capital, no próximo dia 21 de abril, sem qualquer modificação do programa estabelecido. Externam os Ministros de Estado disposição de enfrentar qualquer resistência à mudança, não considerando, de forma alguma, qualquer cogitação de adiamento.
O chefe do Gabinete Civil transmite, na ocasião, a recomendação do Presidente da República ao Ministro da Fazenda no sentido de que colocasse à disposição do Grupo de Trabalho todos os recursos necessários à mudança dos Ministérios. Fica esclarecido que todos os Ministérios já aprontaram a relação dos funcionários que seguirão inicialmente para Brasília. Semanalmente haverá uma reunião ministerial com o objetivo de continuar o planejamento e a execução da mudança do pessoal remanescente. O contato entre o Governo instalado em Brasília e as repartições que permanecerem no Rio até a completa mudança ficará a cargo do Ministério da Aeronáutica, que organizará um serviço para o transporte, diariamente, de dois funcionários de cada Ministério, até um total de quarenta pessoas, que servirão de elementos de ligação.
O Presidente do Banco do Brasil reafirma que, no dia 21 de abril, aquele estabelecimento estará instalado em Brasília, com os respectivos diretores e uma equipe de funcionários, em pleno trabalho.
O titular da Agricultura adianta que, no dia 20 de março próximo, o Ministério estará instalado em Brasília. Todas as providências para o abastecimento já foram tomadas para que o mesmo se apresente em condições normais no dia 21 de abril.
O Ministro da Educação faz um relato sobre os trabalhos realizados a fim de que, ao se efetuar a mudança do Governo, sejam asseguradas as matrículas que se fizerem necessárias ao ensino primário e secundário, em Brasília. Os professores para o ensino primário e secundário estão sendo devidamente selecionados. Com esse objetivo foi aberta uma inscrição para o aproveitamento de cem professores, que servirão na Nova Capital, tendo se apresentado um total de mil e quinhentos candidatos.
Fica assentado que, diariamente, cada Ministério divulgará, através da Agência Nacional, o andamento dos trabalhos relativos à mudança de seu pessoal e de seus serviços.
Adianta o Ministro da Viação que, no dia 20 de abril, estarão em funcionamento 120 canais de micro-ondas, solucionando o problema das comunicações entre Brasília e o Rio.
No dia 25 de março, conforme resolvido, seguirá para Brasília a primeira turma de funcionários da Presidência da República que servirão na Nova Capital. No dia 22 de abril, o Palácio do Catete estará fechado.
O Ministério das Relações Exteriores, que requer condições especiais para seu funcionamento, será instalado, provisoriamente, no edifício do Ministério da Saúde, ocupando quatro pavimentos do mesmo.
O General Nelson de Melo informa que o Marechal Odílio Denys não pudera comparecer, mas que o incumbira de adiantar aos presentes que o Ministério da Guerra está em condições para se transferir para Brasília no dia 21 de abril.

Serviço telefônico – O Departamento de Telefones Urbanos e Interurbanos acaba de instalar, em caráter experimental, doze canais telefônicos de ondas curtas. O sistema utilizado, posto em funcionamento em tempo recorde, facultará a Brasília comunicar-se como todo o país através de telefonemas por onda curta. No momento, a cidade dispõe de 225 aparelhos telefônicos automáticos, com rede aérea provisória, mas está programada para breve a instalação de 5 mil linhas com capacidade para 6.500 telefones, sendo de se ressaltar que nesse trabalho será empregado o equipamento mais moderno do mundo, tipo “cross-bar” E, para futuro próximo, está programada a instalação, no Plano Piloto, de 200 mil aparelhos. Para comunicações com o Rio, São Paulo e Belo Horizonte, será usado o processo de micro-ondas, que difere daquele agora instalado.

 

A caranava de integração nacional atravessou o país de norte à sul, desde Belém, passando por Brasília e Rio de Janeiro, até o Rio Grande do Sul, para celebrar a unificação física do território nacional. Mas a concepção da cidade, embora rápida, exigiu o empenho e trabalho árduo de muita gente, desde eminentes políticos aos mais humildes trabalhadores. Na imagem, Oscar Niemeyer e Lucio Costa discutem o planejamento arquitetônico da nova capital (Foto: Arquivo Público do DF)

Trackback do seu site.

Deixe um comentário

Brasília, 16 de fevereiro de 1960

Urbanização – Acelera-se o ritmo de trabalho nas ruas e avenidas de Brasília, empregando-se, no preparo dos leitos, em cada boca dos trevos, três máquinas, 24 horas por dia. Taguatinga – Com os restos de madeira empregada na construção de edifícios públicos, foram construídas em Taguatinga, cidade-satélite, 100 casas para os habitantes da Vila Amauri que tiveram suas residências tomadas pelas águas do Lago Artificial. O trabalho está sendo executado pela Novacap e tem a inspirá-lo a preocupação de oferecer aos trabalhadores e suas famílias condições humanas de habitação, com todos os requisitos de conforto e higiene. DASP – A Novacap divulga que o bloco do conjunto dos Ministérios destinados ao Departamento Administrativo do Serviço Público e ao Tribunal de Contas da União já está concluído e com várias seções mobiliadas e vem funcionando com todos os seus sete elevadores. Em condições quase idênticas se acham mais cinco blocos ministeriais, faltando a estes, para a conclusão definitiva, pequenos serviços de acabamento. Reunião ministerial – Reúnem-se, no Palácio do Catete, o Ministro da Justiça, o Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, o Deputado Abelardo Jurema, líder da Maioria, o Deputado Neiva Moreira, Segundo Secretário, o Sr. Guilherme Aragão, Diretor-geral do D.A.S.P., o Coronel Celso Neves e o Senhor Felinto Epitácio Maia, Secretário do Grupo de Trabalho incumbido da mudança da Capital para Brasília. São, na ocasião, examinadas as providências complementares da alçada do Executivo e referentes à mudança da Câmara dos Deputados para Brasília. O Deputado Neiva Moreira fez uma exposição completa das necessidades dos congressistas, bem como do corpo de funcionários face à mudança para a nova Capital. O Coronel Celso Neves informa aos participantes da reunião que os plenários do Senado Federal e da Câmara dos Deputados serão dotados de aparelhos de refrigeração. Todo o equipamento necessário já encontra em Brasília a fim ser devidamente instalado. Fica resolvido que o Deputado Neiva Moreira permanecerá em constante contato com o Chefe do Gabinete Civil e com os competentes órgãos do Executivo a fim de resolver todos os problemas de que depende a transferência dos Deputados e de suas famílias. Presidência da República – O Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República designa uma Comissão constituída dos servidores Alsirio Palermo, Raul Iguaguara de Miranda, Sizenando Matos Bourguignon Júnior, Otávio de Oliveira Guedes e Darcília de Freitas Mendes para, sob a presidência do primeiro, apresentar, no prazo de trinta dias, o levantamento do acervo e equipamentos do Gabinete Civil da Presidência da República a serem transferidos para Brasília. Banco Interamericano – A imprensa divulga que o Banco Interamericano, reunido em Assembléia na cidade de San Salvador, capital da República de El Salvador, decidiu realizar sua próxima Assembléia em Brasília, por votação unânime de seus participantes. Bloco Parlamentar Mudancista – O Bloco divulga o seguinte comunicado: “O Bloco Parlamentar Mudancista, integrado por 230 Deputados de todos os partidos, ontem reunido no salão nobre da Câmara Federal, resolveu tomar as seguintes deliberações: 1)     Envidar todos os esforços para a rápida tramitação dos Estatutos do novo Distrito Federal e do Estado da Guanabara; 2)     Reafirmar que Brasília possui todas as condições de habitabilidade previstas para o seu funcionamento no dia 21 de abril próximo; 3)     Reiterar a disposição de não concordar com a instalação de comissões de inquérito sobre a construção de Brasília até que se efetive a mudança da Capital.”  

A fim de entregar aos novos moradores uma cidade completa, com ruas, calçadas e avenidas, o ritmo de trabalho a essa altura da construção de Brasília acontecia sem interrupção, dia e noite, 24h. Acima, cidadãos comuns fazem uma parada para o cafézinho na recém-inaugurada Avenida W3, já em abril de 1960 (Foto: Arquivo Público do DF)

Brasília, 18 de fevereiro de 1960

Sistema educacional – O Professor Clóvis Salgado, Ministro da Educação e Cultura, expõe, pela “Voz do Brasil”, os seguintes aspectos do sistema educacional de Brasília: “Na reunião ministerial, ontem realizada no Palácio do Catete, dei conta das providências que vem sendo tomadas de longa data, para que um bom sistema escolar entre a funcionar em Brasília, na data da mudança da capital. Reproduzo aqui, pela “Voz do Brasil”, as informações prestadas, que são, felizmente, tranqüilizadoras. Desde o primeiro momento que o Ministério da Educação vem colaborando no plano de construção de Brasília para que a rede escolar tivesse áreas de terreno amplas e bem localizadas, para sua gradual expansão, dentro das condições aconselháveis. Dos estudos  procedidos por educadores e arquitetos, resultou a distribuição das diferentes unidades escolares pela área urbana projetada, de modo a atender toda a população prevista, com escolas de todos os níveis e ramos do ensino. Tal distribuição ficou garantida em convênio firmado com a Novacap, quando da entrega dos primeiros recursos fornecidos pelo Ministério para obras escolares. Desse modo, julgo que Brasília oferecerá aos seus futuros estudantes escolas suficientes e, além disso, bem localizadas em relação à residência dos alunos a que devem servir. Ao esforço público de educação em Brasília veio cedo juntar-se a cooperação da escola privada, que tem sido recebida de braços abertos. Muitos colégios já receberam generosas áreas de terreno, para construção de suas sedes na bela cidade. Três deles já estão em plena atividade prestando ótimos serviços à crescente população estudantil. Até dezembro de 1959, o sistema escolar de Brasília ficara a cargo da Novacap, que instalou uma rede provisória de ensino primário, bem satisfatória, chegando a abrigar mais de 5 mil crianças. Por seu lado, o Ministério da Educação criou classes para adolescentes e adultos analfabetos. Desse modo, embora em caráter de emergência, a cidade nascente vinha tendo uma razoável assistência educacional primária. E também uma excelente escola profissional para treinamento rápido do pessoal que chegava, cada dia, sem qualquer preparo. Essa escola, instalada em prédio definitivo, e bem equipada, permanecerá em caráter definitivo. Novos e excelentes prédios já se acham concluídos para receber as crianças que se vão transferir a 21 de abril: jardins de infância, escola-classe e escola complementar. A escola classe é o nosso conhecido grupo escolar, com novo nome e salas de maior conforto. A escola complementar é quase uma novidade: permitirá que as crianças tenham mais quatro horas diárias de caráter educativo: trabalho manual, práticas desportivas, atividades artísticas e sociais. Um grande progresso, na verdade. O curso secundário teve o seu calendário ajustado à data da mudança. As aulas começarão a 1º de maio, segundo recente portaria ministerial, na escola pública e no Colégio D. Bosco, cujo novo prédio, em linhas soberbas, ficará pronto naquela data. O curso secundário, completo, isto é, ginasial e colegial, estará funcionando em boas instalações provisórias, no primeiro período. Mas já no 2º período, isto é, em agosto, passará para uma majestosa sede definitiva que tomou o nome de Escola Compreensiva, por que abrigará não só o curso secundário, como os demais ramos do ensino médio, comercial, industrial, normal e agrícola. É uma experiência nova, esse centro educacional de nível médio, há muito tempo desejado pelos educadores. Brasília vai tê-lo. Para a prática dos alunos do curso agrícola, o Ministério da Agricultura está instalando uma escola agro-técnica na periferia da cidade, que funciona em princípios de 1961. Para a Universidade, há apenas área reservada e projeto em andamento. A Universidade do Brasil já foi autorizada a fazer funcionar a 6ª série médica em Brasília, aproveitando-se o amplo Hospital que o Ministério da Saúde ali está erguendo. Todas as providências ao lado da Faculdade Nacional de Medicina vem sendo tomadas para que a ordem do Presidente se cumpra. É certo que, em dezembro do corrente ano serão recebidas as transferências dos alunos promovidos à 6ª série, os quais começarão a trabalhar, no Hospital de Brasília, em janeiro de 1961. Essa feliz solução tornou-se possível graças à nova orientação do ensino médico, que reservará a 6ª série apenas para estágio em clínicas fundamentais. Os alunos se beneficiarão com os modernos equipamentos que o Hospital de Brasília vai receber. O Hospital contará com o trabalho gratuito dos doutorandos. Para lecionar na nova capital não faltarão, felizmente, bons professores. A inscrição aberta, recentemente, encerrou-se com um resultado surpreendente: mais de 1.500 candidatos. Estamos, por isso, fazendo uma seleção rigorosa, para apurar uma centena, isto é, um professor escolhido, em cada 15 candidatos. Já se vê que teremos excelentes mestres, todos com boa prática de ensino, para tornar altamente eficiente a rede escolar da Nova Capital. Lá o Ministério da Educação já assumiu, através de um novo órgão, a CASEB, a direção efetiva do sistema escolar público. Temos razões para afirmar que nada faltará aos estudantes dos cursos primários e secundários para prosseguirem, normalmente seus estudos em Brasília. Que as famílias confiem nas providências do Governo, é a conclusão desta palestra.” VASP – A Viação Aérea São Paulo inaugura a linha regular São Paulo, Poços de Caldas e Belo Horizonte, com conexão direta para Brasília. Presidente Eisenhower – Anuncia-se que os membros da comitiva do Presidente dos Estados Unidos ficarão hospedados no terceiro andar do Brasília Palace Hotel, todo reservado para tal fim. antecipando-se à chegada do Presidente dos Estados Unidos, já se acham ocupando alguns dos apartamentos técnicos da missão de comunicação, à qual cumprirá estabelecer ligações oficiais com aquele país, de forma a possibilitar ao Presidente Eisenhower falar diretamente com Washington, sempre que o desejar.  

Para as crianças, o plano era ousado: pretendia-se implementar um sistema escolar complementar, além do tradicional, com mais quatro horas diárias de caráter educativo, divididos entre trabalho manual, práticas desportivas, atividades artísticas e sociais. A imagem mostra crianças brincando em alojamentos de madeira no período pré-inaugural da cidade (Foto: Arquivo Público do DF)