Linha do Tempo

Brasília, 14 de fevereiro de 1960

Caravana de Integração Nacional – A Coluna Norte, partindo de Curitiba, rumo a Porto Alegre, alcança a cidade de Vacaria, onde pernoita.

Trackback do seu site.

Comentários (1)

  • Adenor F.S.Rodrigues

    |

    Eu com mais 08 companheiros vindo de Salvador, de onde éramos todos Militares, recém deixados as formas Armadas por ter prestado os serviços obrigatórios, fomos convocados por o Cidadão, Oficial da Antiga GEB/DF, Tenente Geraldo Silva, em Salvador, através de um anúncio feito por ele no jornal do Estado da Bahia, que dizia o primeiro Tenente da Guarda Especial de Brasília, vem a Salvador a procura de ex/ Militares que deram baixa das Forças Armadas, e queira ir para Brasília, fazer parte desta Policia, a GEB/DF, os que atendeu este chamado teria que ir ate o Quartel do Exercito que fica próximo a fonte nova, fazer um teste de conhecimentos gerais da historia do Brasil, os que forem aprovados já poderia comprar as passagens e vir por conta própria, a partir daquela data os que não pudesse vir logo teria 30 dias de prazo para a presentar no Quartel da GEB/DF, eu ainda estava faltando 15 dias para dar baixa, aguardei ate o dia chegar, 10/06/60 recebi a baixa por volta das 08/30/ minutos, quando foi as 10 horas já estava no Aeroporto de Salvador, pronto para embarcar em um avião da antiga Vasp-destino a Brasília, ao chegamos aqui por volta das duas horas da tarde, descemos fomos para estação de desembarque era um barracão de madeira, nós fomos recebidos por um cidadão ex/ gerente da Vasp, chamado Batista, um dos oito colegas fez à seguinte pergunta para ele onde ficava Brasília, ele nós convidou a chegar ate uma porta que dava vista para o Plano Piloto, nós perguntou vocês estão vendo aquele redemoinho de poeira subindo lá para o céu, todos responderam que sim, ele nós disse aquilo lá e Carlos Lacerda, procurando onde fica Brasília, este mesmo ex/ conterrâneo fez outra pergunta você tem passagem de volta para Salvador, o Batista respondeu temos ele comprou a passagem e ficou no aeroporto para retornar, ficamos em sete perguntamos ao sr, Batista onde ficava o Quartel da GEB/ ele nós chamou de novo até aporta apontou para antiga Velha/Cap. atualmente Candangolandia, nós disse lá, depois fizemos mais outra pergunta como poderíamos chegar ate lá, não tinha transporte para nós levar ate o tal de Quartel, o mesmo Batista, aqui não tem ônibus não tem taxis, as vezes aparece só carros oficiais para buscar autoridades, mais será muito difícil eles darem caronas, um dos colegas que deu baixa do exercito como ex/cabo nós provocou vocês vão ser Soldados, eu vou ser Cabo lá na GEB/ vocês pegas as malas inclusive a minha que eu vou dando ordem unida em vocês ate o Quartel, só que nós tivemos a sorte e a felicidade de aparecer um Veiculo Kombi/ da Marinha que veio ao Aeroporto buscar um Oficial da Marinha, que deveria ter vindo naquele voo, mais não veio, o Soldado e Motorista, nós perguntou se éramos Baianos respondemos que sim ele nós respondeu também sou Baiano de Salvador, perguntou vocês vão para a Policia da GEB/ respondemos que sim, ai conseguimos a primeira carona de um conterrâneo em carro o oficial, para finalizar fiquei na GEB/ passei por vários órgãos do Governo Federal, foi requisitado para o MJ/DF,lá voltei encontrar com este ex/ Marinheiro nós tornamos amigos, ele deu baixo da Marinha, me procurou eu consegui colocar ele junto com nós ele mora em Brasília, aposentado assim como os outros ex/colegas alguns estão fora de Brasília, outros já faleceram, eu ainda estou por aqui ate o dia que Deus, deixar, esta uma historia verdadeira de quem acreditou nas Palavras daquele grande Presidente da Republica do nosso Brasil que em Jatai no Estado de Goiás, fez aquele discurso da transferência da Capital da Republica para este Estado Goiás Juscelino Kubistchek de Oliveira!!!

    Responder

Deixe um comentário

Brasília, 13 de fevereiro de 1960

Caravana de Integração Nacional – A coluna Norte atinge a cidade de Curitiba, onde pernoita, após novo dia de viagem sem incidente, em perfeita ordem. Arborização de Brasília – No Rio de Janeiro, visita o Ministério da Agricultura o senhor Vicente Ferrer Correia Lima, supervisor dos serviços agrícolas da Novacap, que informa à imprensa que, em Brasília, os serviços de arborização foram intensificados e que já se acham plantadas 18 mil mudas de essências, esperando-se que 32 mil já estejam plantadas até abril próximo. Esses plantios foram realizados na parte fronteira e no pátio interno do Palácio da Alvorada, nas áreas junto ao Hotel e anexas às escolas primárias, nas adjacências dos três trevos rodoviários e das passagens de nível. Foram usadas, principalmente, paineiras, mangabas, e cássias, havendo, em número menor, ‘flamboyants’, guapuruvas, etc. Dez mil dessas mudas foram fornecidas pelo Ministério da Agricultura, através de Acordo Florestal com a Novacap e pelo Horto Florestal de Silvânia, sendo as demais ofertadas pelo Estado de Goiás e pela Prefeitura, das quais cerca de 200 na Praça dos Três Poderes. Além das atividades, algumas centenas de hectares de tapetes verdes já foram plantados, em numerosos pontos de Brasília, principalmente nas áreas residenciais, junto aos Ministérios e na Praça dos Três Poderes, sendo empregadas em grande escala, as gramíneas “batatais e seda” (capim de burro do Nordeste). Atividades escolares – No Rio de Janeiro, a Diretoria do Ensino Secundário, do Ministério da Educação e Cultura, comunica aos interessados que as aulas dos estabelecimentos de ensino secundário mantidos por particulares, em Brasília, começarão normalmente em março. Apenas o Centro de Educação Média e o Centro de Educação Complementar obedecerão ao que determina a Portaria Ministerial no. 36, de 29 de janeiro de 1960, cujos termos são os seguintes: “Fixa, para o corrente ano, a época especial para inicio e término do ano letivo e prestação de provas nas escolas mantidas pelo Ministério da Educação e Cultura em Brasília. O Ministro de Estado da Educação e Cultura, de acordo com o que lhe faculta o disposto na Lei no. 57, de 6 de agosto de 1947, tendo em vista a mudança da Capital da República para Brasília no dia 21 de abril de 1960, e, em caráter excepcional, resolve:
Art. 1º – Fixar, para o corrente ano, em 16 de maio e 23 de dezembro, respectivamente, as datas para o inicio e o término das aulas nas escolas do Centro de Educação Média e do Centro de Educação Complementar de Brasília. Art.2º – Será de férias escolares o período compreendido entre 28 de agosto e 11 de setembro. Art.3º – As provas parciais e finais realizar-se-ão nos períodos de 22 a 27 de agosto e de 12 a 23 de dezembro”.
  Lago de Brasília – Verificação realizada pelo Serviço Hidráulico da Novacap apura haver o lago artificial atingido a quota de 990,04 metros de água acima do nível do mar, faltando apenas 10 metros, portanto, para ser atingida a quota máxima, que é de mil metros. A 21 de abril próximo estarão faltando apenas 5 metros. Supermercado – Divulga-se que até o fim de fevereiro deverão estar concluídas as obras do Supermercado “Unidade de Vizinhança” do Plano Piloto. A construção encontra-se em fase de pintura, presentemente sendo preparadas as instalações das câmaras frigoríficas e o ajustamento de esquadrias. O Supermercado terá duas câmaras frigoríficas e seu salão útil compreenderá uma área de 810 metros quadrados. Rodovia de Goiás – O Engenheiro Abel de Carvalho, diretor-geral do D.E.R., de Goiás, declara à imprensa considerar simplesmente extraordinário o impulso que a rodovia Belém-Brasília deu ao desenvolvimento rodoviário goiano, tornando realidade o sonho das populações do “hinterland” do Estado: obtenção de meio de acesso a outras regiões do País. Através do D.E.R. o Governo de Goiás promove a ligação à estrada Belém-Brasília de pelo menos 16 municípios, a saber: Peixe, São Miguel do Araguaia, Porto Nacional, Cristalândia, Pium, Miracema, Tocantínia, Tupirama, Pedro Afonso, Filafélfia, Babaçulândia, Xambicá, Tocantinópolis, Nazaré e Araguatina. Algumas dessas ligações estão quase concluídas e é certo que todas estarão, ainda no corrente ano, abertas ao tráfego. Ressaltando a importância da Rodovia Bernardo Sayão, para o progresso econômico do Estado, diz por fim, o diretor do D.E.R. de Goiás, que essa estrada serve a 55 municípios goianos. Televisão – A imprensa divulga que, por ocasião da mudança da Capital, Brasília terá sua primeira TV. Os trabalhos de fundação da base para a torre de televisão, que se localizará no Eixo Monumental, nas proximidades da estação rodoviária, já foram iniciados. A torre terá 275 metros de altura, incluídos nesse total os 70 metros da plataforma de concreto que sustentará a parte metálica. Escola-Parque – Divulga-se a conclusão da construção da Escola-Parque destinada aos filhos dos residentes da Fundação da Casa Popular. De acordo com os planos estabelecidos, cada Unidade de Vizinhança terá um estabelecimento no gênero, ou seja, uma Escola-Parque, cuja finalidade é complementar as atividades das Escolas-Classes, cuidando do desenvolvimento artístico, físico e recreativo das crianças. A Escola-Parque dispõe de pavilhão de artes industriais, conjunto de atividades sociais (música, dança, teatro, exposição e clube), instalações para a prática de educação física, refeitório e administração. Em seu conjunto de edifícios, a Escola-Parque atenderá a dois mil alunos, divididos em dois turnos. Senado Federal – Conclui-se nesta data o revestimento da cúpula do edifício do Senado Federal, feito à base de cimento branco, empregando-se processo especial, de quatro mãos de massa e acabamento a pistola de pressão, sendo gastos 4 quilos de massa em cada metro quadrado. A área da cúpula do Senado é de 1.500 quadrados e a da Câmara de 6 mil metros quadrados.

Foto: Carol Boclin

Brasília, 15 de fevereiro de 1960

Caravana de Integração Nacional – Partindo de Vacaria, a Coluna Norte da Caravana alcança o ponto final de sua jornada, Porto Alegre, completando, assim, a ligação terrestre entre a capital gaúcha e Belém do Pará, via Brasília, num percurso total de mais de cinco mil quilômetros, assim divididos: de Belém a Brasília, pela rodovia Bernardo Sayão, 2.250 quilômetros; de Brasília ao Rio de Janeiro, 1.200 quilômetros; do Rio de Janeiro a São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, mais de 1.600 quilômetros. Os veículos brasileiros utilizados pela Coluna Norte, e que chegam a Porto Alegre às 17h e 30m, são em número de sessenta. Hospital Distrital – Os jornais anunciam que, em 21 de abril de 1960, Brasília poderá contar com todos os serviços em pleno funcionamento, do seu Hospital Distrital, que se ergue entre a Praça dos Três Poderes e a Asa Norte, na zona hospitalar do Plano-Piloto. Formado por cinco blocos, o Hospital Distrital será dotado de todos os mais modernos requisitos para o perfeito cumprimento de sua finalidade. Seus cinco blocos ocuparão uma área de 32 mil metros quadrados. O bloco A terá 12 pavimentos, com 80 metros de frente por 16 de largura; o bloco B compreenderá: enfermaria, isolamento, administração, pronto-socorro, centro cirúrgico e ambulatório; o bloco C será o dos consultórios médicos; o D se destinará aos serviços mecânicos (tratamento d’água, caldeira, instalações de vapor, estação de força de emergência): finalmente, no bloco E se localizará a rotunda, ou seja uma estação de tratamento de gases. À exceção do primeiro, todos os blocos terão apenas um pavimento. As dependências do ambulatório, do pronto-socorro e do centro cirúrgico serão dotadas de ar refrigerado. Entre outros modernos equipamentos, o Hospital Distrital de Brasília terá: central de oxigênio, com tomadas em todas as enfermarias; controle de pressão automático, comutado com a central telefônica urbana; correio pneumático; central de filtragem de água e central de fornecimento de vapor, para esterilização de instrumentos. Congresso Nacional – No plano de construção dos edifícios do Congresso Nacional em Brasília, imprime-se ritmo mais acelerado às unidades para o Senado e a Câmara. Dentro em poucos dias poderá iniciar-se o ajardinamento do local. Lago de Brasília – Em Brasília, desperta grande interesse a chegada de cinco lanchas, que serão postas à venda por uma firma estabelecida no Núcleo Bandeirante. Com essas lanchas, que vieram por via aérea e que, certamente, em pouco, estarão sendo utilizadas no Lago Artificial, chegaram vários tipos de materiais náuticos, como esquis, salva-vidas, âncoras, bóias e motores especiais para a tração de esquis. A propósito, mencione-se que se encontra em organização o Iate Clube de Brasília. Parque Desportivo – Iniciam-se as obras de construção e preparo de um parque desportivo para os habitantes da Asa Sul do Plano Piloto, no Eixo Rodoviário, parque completo, com piscina para crianças e play-ground. Governador do Amazonas – O Presidente Juscelino Kubitschek recebe do Senhor Gilberto Mestrinho, Governador do Estado do Amazonas, o seguinte telegrama: “Ainda sob a impressão maravilhosa que me deixou esse monumento arquitetônico gigantesco que é Brasília, fruto do governo ciclópico e grandemente patriótico de Vossa Excelência, quero expressar-lhe o meu profundo agradecimento, não só pelo magnífico tratamento que houve por bem dispensar-me e aos demais membros da minha comitiva, como também pelo carinho com que foram solucionados vários problemas de vulto desta unidade federativa, permitindo desse modo que o Amazonas possa ressurgir do ocaso em que durante muito tempo esteve mergulhado, para resplandecer em progresso entre os mais futurosos pedaços da grande Nação brasileira. Transmitindo a Vossa Excelência, como amazonense e como dirigente deste Estado, a imensa gratidão do povo de minha terra, sinto-me honrado em mais uma vez assegurar-lhe a minha admiração, meu respeito e mui elevada consideração.” Rodovia Belo Horizonte-Brasília – A imprensa divulga que já se encontram concluídas e em condições de utilização todas as obras de arte da rodovia Belo Horizonte-Brasília. O serviço foi dado como terminado com a conclusão dos serviços de construção da ponte sobre o rio São Francisco, com 360 metros de comprimento, no valor total de Cr$ 80.377.591,40. A sua entrega ao tráfego poderá ser feita a partir do próximo dia 20.  

A nova capital trouxe, conforme prometido pelo presidente JK, progresso e desenvolvimento ao país, em especial à região central, anteriormente esquecida. Estradas de ligação entre importantes cidades e locais remotos passaram a cruzar o Brasil de ponta a ponta. Dentre as construções da época, pode-se citar a rodovia Belém-Brasília, cujo processo de concepção gerou intensa mobilização populacional, como mostra a imagem (Foto: Arquivo Público do DF)