Bernardo Sayão

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

"Quem olhasse o local onde estava sendo iniciada a construção de Brasília, sempre o veria: chapelão na cabeça; rosto queimado de sol, suando em bica. Estava em toda parte e sempre em atividade.
Reservava para si as tarefas mais árduas e perigosas e as executava com seu inextinguível bom humor: à beleza viril do físico privilegiado, aliava-se formação moral. Era bom por natureza e bravo por instinto"

Palavras de JK sobre Bernardo Sayão.

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza!
Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós
               nenhuma surpresa.
Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato
que te faz surgir num descampado, o olhar firme, o sorriso exato,
e ver-te aí e rever-te nos caminhos que só para teus pés é que
               a vida abria
e nos quais eras todo certeza, a alumbrada certeza dos que só
               vêem o dia.
 
Da morte emerges, e de súbito estremecemos a um insólito ruído.
Seria acaso grito de fera, ou mesmo de homem na floresta perdido?
Não, não é uma simples árvore que desaba na floresta,
não é apenas um galho que cai – é algo mais. É a noite talvez,
               e que noite esta!
 
Dizei-me por acaso se esse ruído que não finda
é algo que cessa com o estertor do que parece vibrar ainda.
Dizei-me se é uma vida, uma tocha talvez, quem sabe se uma
               fogueira,
esse ruído que punge, dizei-me se essa árvore caída na clareira
não é a escuridão que nos cerca, que vai aos poucos nos sufocando,
não é a noite que nas águas e nas raízes fica chorando.
 
És tu que cais? És tu, Sayão, que cais? De repente, a terrível
               certeza:
para sempre o silêncio se fez, nunca mais estarás à mesa,
nunca mais estarás à mesa – o convívio ficou de súbito
               interrompido,
só resta – ontem, hoje, amanhã – o duro e insólito ruído.
 
Alphonsus de Guimaraens Filho, poeta mineiro, nasceu em Mariana.
"Poemas para Brasília", de Joanyr de Oliveira.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …