Arquivo do Autor

24 de fevereiro de 2007 – Dia da estréia

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

24 de fevereiro de 2007 – Dia da estréia.

"No princípio era o êrmo…
Eram antigas solidões sem mágoa,
O altiplano, o infinito descampado…
Eram antigas solidões sem mágoa
O altiplano, o infinito descampado…
No princípio era o agreste:
O céu azul, a terra vermelho-pungente
E o verde triste do cerrado…"

Trecho da Sinfonia da Alvorada, poeta Vinícius de Moraes
Brasília, 1960.

"Na quarta parte nova os campos ara
E se mais mundo houvera, lá chegara"

Trecho da VII e 14, Os Lusíadas
Camões

Decifrando Brasília

Brasília é um enigma para a maioria dos brasileiros. A sua associação primária e instantânea como signo de poder pouco a revela e a compreensão dos seus significados resulta difusa e incompleta. A imagem predominante que se tem de Brasília perambula sem lugar definido no imaginário do povo brasileiro, em todas as classes sociais, como uma esfinge ainda a ser decifrada.
Eis uma tarefa desafiadora para nós brasileiros.
Compreendendo a Capital do Brasil como um  caldeirão miscigenado que se formou com gentes vindas de todos os cantos do País e que se fincaram na geografia de seu coração, creio que a resposta à presente indagação, ou seja, quem é Brasília? – está dentro de nós mesmos.
Essa é a perspectiva e o propósito deste site de nos próximos três anos e dez meses – tempo que levou a construção física da nova capital – buscar traduzir, pela via poética, quem é esta cidade-balzaquiana ao ensejo dos seus 50 anos de existência.
 
José Rangel de Farias Neto – o Velho Ranja

"À Brasília Poética,
Sucesso!"
Leonardo Assunção
 
"A expresão poética não se restringe à forma gráfica da escrita e sim na forma poética da fotografia artística. O blog "Brasília Poética" vem preencher este gap."
Roberto Castelo

"Pau-Brasil

Para que a árvore
Floresça

É necessário
que a semente

parta,
quebre,
e morra!"
Alan Viggiano
 
"Brasília poética – flui como o eixo de Roma – cidade irmã de Brasília – núcleo do poder poético-imaginário da História. Transcendência mística da profecia de D. Bosco – JK e o Egito de Yara Kern entre a sua geografia de águas e cosmos."
Heitor Humberto de Andrade 

"Brasília é poesia pura!"
Luís Claúdio

"O que não falta cá, em Brasília, é motivo para se fazer poesia!"
Ana Karina

"Brasília é, como a vida, um mistério que diariamente temos que viver e decifrar. Decifremos."
Zeferino Alves Neto

A epopéia da construção

Olá.

Brasília é pura poesia. É uma "mensagem permanente de graça e poesia" nas palavras do poeta Vinícius de Moraes em sua obra conjunta com Tom Jobim "Brasília, sinfonia da Alvorada". Foi construída entrelaçando os fios da estética das formas com "as manifestações do espírito, da imaginação e da poesia".

Por inspiração de Le Corbusier, "um dos predicados mais marcantes de Brasília é a leveza. A técnica e o sonho de erguer uma cidade única, pontilhada por amplos espaços a céu aberto, dão a impressão de que o concreto é feito da mesma matéria-prima dos tecidos mais suaves, de delicada espessura, trabalhando especialmente para dar aos blocos, quadras e ruas uma dimensão transcendente. Por toda parte fica a sensação mágica de que a cidade se equilibra sob pilares invisíveis, por uma energia inexplicável e miraculosa". (Brasília: a Capital do Século 21 – uma biografia poética).

Lúcio Costa e Oscar Niemeyer levaram à prática uma forma de construir que encanta pela poesia, pela força da beleza.

A partir do dia 24 de fevereiro de 2007 e durante os próximos três anos e dez meses – tempo do início da construção até a sua inauguração em 21 de abril de 1960 – este blog irá homenagear poeticamente a capital de todos os brasileiros, inserindo poesias, fotos, datas, personagens, arquitetura, monumentos, fauna, flora, música, literatura etc., focados num único tema: Brasília.

Todos os cidadãos brasilienses, ou não, estão convidados a embarcar nesta viagem no tempo, como uma maneira de homenagear a epopéia da construção da capital de todos os brasileiros. 

José Rangel de Farias Neto – o Velho Ranja

 

Continue lendo

Newsflash 3

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog Sem Comentários

Aoccdrnig to a rscheearch at an Elingsh uinervtisy, it deosn’t mttaer in waht oredr the ltteers in a wrod are, the olny iprmoetnt tihng is taht frist and lsat ltteer is at the rghit pclae. The rset can be a toatl mses and you can sitll raed it wouthit porbelm. Tihs is bcuseae we do not raed ervey lteter by itslef but the wrod as a wlohe.

Continue lendo

Newsflash 2

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog Sem Comentários

Yesterday all servers in the U.S. went out on strike in a bid to get more RAM and better CPUs. A spokes person said that the need for better RAM was due to some fool increasing the front-side bus speed. In future, busses will be told to slow down in residential motherboards.

Continue lendo

Welcome to Joomla!

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Blog Sem Comentários

If you’ve read anything at all about Content Management Systems (CMS), you’ll probably know at least three things: CMS are the most exciting way to do business, CMS can be really, I mean really, complicated and lastly Portals are absolutely, outrageously, often unaffordably expensive.

Joomla! is set to change all that … Joomla! is different from the normal models for portal software. For a start, it’s not complicated. Joomla! has been developed for the masses. It’s licensed under the GNU/GPL license, easy to install and administer and reliable. Joomla! doesn’t even require the user or administrator of the system to know HTML to operate it once it’s up and running.

Continue lendo


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …