Às tesourinhas!

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Poemas para Brasília Sem Comentários

Essa maravilha da engenharia
Contemporânea, este ícone
Arquitetônico de quem os vê
Fica até atônito.
Essas incríveis tesourinhas
Que parecem
Até asas de borboletinhas
Ou qualquer outro desenho de criança
E que nas imagens aéreas nos encanta
E não há outra semelhança.
A genialidade deste e a funcionalidade
De quem os fez
Proporcionou aos usuários
A acessibilidade de vez.
Lucio Costa deveria estar
Iluminado com áureas infantis
Ao projetar as tesourinhas
Tão emblemáticas e tão sutis.
É lindo de se ver e saber
Que na nossa capital federal
Tal projeto, não há outro igual.
Parabéns, Brasília!
Dos candangos heróis.
Parabéns Brasília!
Das eternas e únicas tesourinhas
Que se enchem de orgulho todos nós.

Carla Duarte
Poema transcrito da Revista do Correio, 21/04/2013

Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …