A FOGUEIRA DO DIVINO

Escrito por Brasília Poética em . Postado em Converse com os Poetas Sem Comentários

A FOGUEIRA DO DIVINO

BANDEIRA BANDEIRINHA
VIRA FLOR E PASSARINHO
NA FOGUEIRA DE MENINO
DE BALÃO DE VENTO QUENTE

SOBE FLOR
CHOVE
FLOR DE IPÊ DE PASSARINHO
DE BALÃO E DE FOGUEIRA
BRINCADEIRA DE MENINO

CHOVE FLOR DE PASSARINHO
DE MENINA E DE MENINO
NA FOLIA DO DIVINO

BALÃO VIRA PASSARINHO
NA FOGUEIRA PAPEL FLOR
SOBE QUENTE DISTRAÍDA
CONCENTRADO CATADOR

SOBE SOBE
VOA VOA
VAI NAS MÃOS DO MEU AMOR

NA FOLIA DE MENINO
A FOGUEIRA E O BALÃO
O VENTO QUENTANDO A MADEIRA
EM NOITE DE SÃO JOÃO

TEM MISSA DE VIOLA TOCADA
NA SALA DA CASA O ALTAR
OS SANTOS E JESUS CRISTO
MULHER COM BANDEIRA A ORAR

E VIOLEIRO PÕE VERSO
E CORO RESPONDE A ORAÇÃO
É REZA E É FESTA NA CASA
O DIVINO DÁ SUA BENÇÃO

E FLOR PULA FOGUEIRA
ENFEITA E VIRA BALÃO
LEVANTA VOO CRISPADO
E TORNA A CAIR NA MÃO

SE SENTA SE COME SE BEBE
ALEGRIA NA NOITE DE REZA
CATIRA DANÇA PRO POVO
SE ORA SE BRINCA SE FESTA.

Bic Prado (Fabiane Prado Silveira), poetisa brasiliense.
Poema transcrito do livro “Poema de um livro verde”
Coleção Oi Poema

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …