10 de novembro de 1956

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários


Foto: Arquivo Público do DF

JK chega à Brasília e inaugura o Catetinho – A luz elétrica, tênue e com limitado poder de irradiação, "brilhou" pela primeira no Planalto Central. Juscelino estava ali para inaugurar o Catetinho,  a residência provisória do Presidente da República. A cidade começou a surgir naquele momento, algo como duas dezenas de dias após a chegada dos primeiros operários e dos primeiros caminhões com material de construção vindos do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte.
Graças ao gerador de 2,5 hp, também já funcionava um radioamador que estabeleceu conexão com o Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, Anápolis, Goiânia, Araxá e Belo Horizonte. "Milagre…" gritavam os construtores pioneiros. O Planalto deixava de ser mudo.
Após o jantar, serenata ao som de "Peixe vivo" e o "Canto da Nova Capital", música de Dilermando Reis com letra de Bastos Tigre. Uma festa.
Um carioca foi o primeiro candango a chegar em Brasília: Agripino Pereira Lins, na época com 42 anos, era natural de Vila Isabel. Encarregado de abastecer o avião que JK utilizou durante a campanha para a presidência, ele partiu do Rio de Janeiro com o primeiro caminhão de material para a construção da cidade;

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …