10 de janeiro de 1959

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

Lima Brayner
 
No dia 10, acompanhado de sua esposa e do capitão Dúlio M. Leite, chegou, para uma visita a Brasília, o general Floriano Lima Brayner, chefe do Estado Maior do Exército Nacional. No aeroporto, o ilustre militar foi recebido pelo Diretor Ernesto Silva, Cel. Osmar Soares Dutra e Dr. Carlos Alberto Quadros.
Ao regressar ao Rio de Janeiro, o bravo militar deu à publicidade, as seguintes impressões de Brasília:
"A visita a Brasília que me foi proporcionada pelo ilustre Diretor da Novacap, Dr. Ernesto Silva, foi para mim altamente significativa, porque permitiu se consolidasse no meu espírito, a certeza de que a nova Capital do Brasil é uma realidade, que se concretiza a passos agigantados.
O que já foi levantado em menos de um ano, não deixa dúvida sobre o que se poderá fazer até abril de 1960.
Sem dúvida é uma obra ciclópica, concebida, nos seu aspectos arquitetônicos e urbanísticos, pelo cérebro genial de Niemeyer, que a está construindo de forma surpreendente e empolgante.
As construções essenciais que abrigarão os Poderes Constitucionais, já se erguem sobranceiras.
Os grandiosos palácios, do Parlamento e da Justiça, estarão concluídos até dezembro do corrente ano.
Os edifícios dos Ministérios se erguem com incrível rapidez, o mesmo acontecendo com os conjuntos residenciais dos Institutos de Assistência.
Trabalha-se febrilmente.
Os nordestinos fugitivos do inferno da seca, constituem operosa mão-de-obra. O cenário é simplesmente estimulante e confortador, destacando-se, já completamente construído o Palácio da Alvorada. Não se pode louvá-lo suficientemente, nem compará-lo com alguma coisa. Simplesmente porque é diferente de tudo, e obedece a uma concepção distanciada da nossa imaginação normal.
É, realmente, o limiar de uma época, em que se partirá, por outros caminhos, em busca de um mundo diferente.
Há a preocupação de esquecer tudo que se presenciou em matéria de desgaste e sofrimento de várias gerações.
Alvorada…
Deus permita que assim seja.
São os nossos ardentes votos.
Milhares de peregrinos correm para a nova Meca do Coração do Brasil. Cerca de 60.000 habitantes já se aglutinam em torno de Brasília.
A cidade "Bandeirante", complemento da nova Capital, na fase de sua construção, já tem vitalidade espantosa. Possui cerca de trinta hotéis, alguns dois quais (segundo informações) já cobram Cr$ 600,00 de diária. Vários cinemas e 6 Bancos já estão instalados. Comércio variado e poderoso.
Enfim, Brasília é uma grande e deslumbrante realização de nossa geração.
O Brasil precisa se preparar para os complexos lances que estão iminentes, e que decorrerão desta indisfarçável realidade.
Impõem-se uma preparação, ao mesmo tempo, cívica, política e psicológica, que permita ao povo brasileiro compreender que encerrou um ciclo de 4 séculos de sua história.
Mais do que nunca se imporá o sentido sagrado da unidade nacional, em torno desse luzeiro que se erguerá no Planalto Central do Brasil, eqüidistante de todas as riquezas e misérias do panorama nacional. Nele não se ouvirá mais o ruído do mar, o maior amigo e precioso aliado da unidade pátria.
Que ele, sempre tão generoso em nos unir, continue a estreitar os laços que somam do Oiapoque ao Chuí. Do resto, Brasília se encarregará.
Ao nosso prezado camarada Dr. Ernesto Silva, Diretor infatigável que integra a Novacap com o espírito generoso e patriótico do Marechal José Pessoa, os nossos agradecimentos, pelas gentilezas que nos proporcionou, e as felicitações pelo trabalho ingente a que se entrega".
(Reproduzido da revista "Brasília", da Novacap, edição janeiro de 1959, número 25)

Foto: Arquivo Público do DF


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …