05 de julho de 1957

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

A convite do Presidente da República, visita Brasília uma delegação de vereadores cariocas, chefiada pelo Sr. Hugo Ramos Filho, presidente da Câmara de Vereadores do Distrito Federal. Os vereadores cariocas vão acompanhados de jornalistas credenciados junto à Câmara da cidade.
O vereador Hugo Ramos saúda o Presidente da República, que a comissão visita.
Respondendo ao discurso do Presidente da Câmara de Vereadores do Distrito Federal, no palácio presidencial provisório de Brasília, declara o Presidente da República:
 
"Na presença dos Srs. Vereadores do Distrito Federal, faço esta declaração, peremptória, formal e solene: o Governo Federal não quer mudar a capital da República sem antes deixar a marca indelével dos benefícios de sua passagem pelo Rio de Janeiro".
 
O Presidente Juscelino Kubitschek inicia o seu discurso com um agradecimento à Câmara do Distrito Federal pela visita feita a Brasília e salienta que essa visita era uma das maiores demonstrações de solidariedade à iniciativa do seu Governo de transferir a capital do País, visto que se tratava de manifestação tributada pela própria e verdadeira representação do povo da atual Capital brasileira.

(Diário de Brasília)

 


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …