05 de dezembro de 1958

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

Real-Aerovias – Às 17,30 horas desce no aeroporto comercial de Brasília, em pouso de emergência, um avião Super-Convair da Real-Aerovias, linha Miami-Rio.
Os passageiros, na sua maioria americanos e argentinos, jantam no restaurante do aeroporto, tendo batido inúmeras fotografias e rodado filmes. O avião, uma hora depois, alça vôo para o ponto de destino.
Foi esse o primeiro pouso de avião de linha internacional em Brasília.
(Diário de Brasília)

Discurso presidencial – Paranifando, em Belo Horizonte, a turma de Arquitetos da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Minas Gerais, o Presidente Juscelino Kubitschek assim se refere a Brasília em seu discurso:

“Uma nova cidade está sendo plantada no coração mesmo da pátria. Esta nova cidade, em breve metrópole deste país de dimensões continentais, irá suscitar muitas outras cidades, irá encorajar empreendimentos consideráveis, nos vastos espaços interiores do Brasil. Que mais sedutoras perspectivas se poderiam oferecer a moços que saem de uma escola de arquitetura, à cata de oportunidades para exercer a sua arte? Com o seu plano simples, lógico, preciso; com a sua perfeita adaptação ao meio físico; o seu zoneamento, que é um modelo de previsão, de lucidez e de eficácia; o seu admirável traçado e o portentoso conjunto dos seus edifícios, em que o funcional e o social se conjugam harmoniosamente com o plástico, Brasília oferece à jovem arquitetura brasileira um notável campo de estudos e de experiências, bem como um mercado de trabalho quase sem limites. E não só pela escala em que se desenvolve o seu plano arquitetural, como pela concentração, no tempo, dos esforços para realizá-lo, a nova metrópole possibilitará a definitiva integração da arquitetura moderna brasileira na técnica e nos meios de produção contemporâneos.”


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …