02 de outubro de 1957

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

Inspeção presidencial – Chega a Brasília o Presidente Juscelino Kubitschek, que, à noite, no Catetinho, em cerimônia singela, discursa de improviso, declarando já haver assinado, na véspera, no Rio, com toda a solenidade e com fé e entusiasmo, a lei que fixava em 21 de abril de 1960 como a data da transferência do Governo para Brasília. Lembra que, exatamente há um ano, em 2 de outubro de 1956, no outro prédio próximo, o primeiro Palácio Residencial Provisório (RPI), declarara fundada Brasília.

Queria comemorar festivamente data tão alvissareira para o seu coração, que marcava um momento de renovação e de emancipação econômica nacional.

Faz questão de ler, ele próprio, a página que então escrevera sobre o grande acontecimento abrindo o livro oferecido pela Universidade Mineira de Arte para registro das palavras e opiniões de ilustres personalidades que visitassem a nova Capital.

Terminada a leitura do importante e belo documento, no que foi ouvido com emoção pelos presentes, Sua Excelência ergueu sua taça em um vibrante brinde ao futuro de Brasília, "Viva o Brasil".

(Diário de Brasília)

 


Trackback do seu site.

Tags:

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …