01 de novembro de 1956

Escrito por Brasília Poética em . Postado em O dia-a-dia da Construção Sem Comentários

O presidente da Novacap, Israel Pinheiro, e Oscar Niemeyer estudam os locais para construção dos primeiros prédios: o Palácio Residencial (Alvorada) e o Hotel (Palace);
Nesta data, haviam 232 operários em toda a área onde Brasília seria construída. A construção do Catetinho está praticamente concluída. Um pequeno oásis no meio do cerradão. Um orgulho. Os engenheiros e operários comemoram com churrasco, costume que depois vai se incorporar aos hábitos dos brasilienses. O Catetinho, um palácio tosco em forma retangular, de tábuas, sustentado por grossos troncos de madeira de lei. Ainda não haviam tijolos nem pedras no local. Já dispunha de água corrente, luz elétrica, mobiliário rústico no térreo, cozinha e sala de jantar. No primeiro piso, sala, quartos, banheiros e ampla varanda.

 


Trackback do seu site.

Deixe um comentário


Leia também:

A passagem de Tom Jobim e Vinícius de Moraes pelo Catetinho

O texto de Antônio Carlos Jobim Setembro, sertão no estio. Frio seco. Altitude aproximada: 1.200 metros. Ar transparente, céu azul profundo, primavera e pássaros se namorando. Campos gerais, chapadões dos gerais. Cerrado e estirões de mata à beira dos rios.…

Alvorada de Espelhos

Alvorada de Espelhos Por Clemente Luz O imenso louva-a-deus traçado no papel, antes promessa da presença da cidade, já tem forma e base sólida no chão do planalto. No local mesmo onde a visão do profeta viu “que se formava…

Bernardo Sayão

Da morte emerges, Bernardo Sayão, e com que pureza! Assim te revemos, os que nunca te vimos, e não há em nós nenhuma surpresa. Assim te revemos, sertanejo tranqüilo, no retrato que te faz surgir num descampado, o olhar firme, …